Reafirmando os valores que sustentam o futuro da UFF

Print Friendly, PDF & Email

Há um tema que precisa ficar muito claro: o papel da Universidade, em particular da Universidade Pública no Brasil. As IFES têm um papel estratégico na construção de uma sociedade soberana, capaz de valorizar suas bases culturais e promover um desenvolvimento social inclusivo, sustentável e inovador na perspectiva do bem-estar da população do País e da Humanidade.

Não é por outra razão que as IFES, ao mesmo tempo que promovem formação qualificada e produção do conhecimento, também atuam na vanguarda do conhecimento, em defesa de valores sociais e éticos essenciais para uma sociedade mais justa.

Em que pese, muitas vezes, à convergência da atuação das IFES com a de outras organizações ou segmentos da sociedade organizada, não se pode confundir seus papéis e princípios com os de empresas públicas ou privadas, partidos políticos e, sobretudo, sindicatos. É evidente que cada qual tem os seus valores, mas somente as Universidades nutrem as raízes no mérito do conhecimento, na diversidade das ideias e no compromisso com saber universal nas humanidades e na tecnologia, dentro de uma ordem acadêmica, de respeito e civilidade no âmbito da riqueza da diversidade de pensamentos.

Lamentável, no entanto, que há aqueles que desejam subverter e confundir, muitas vezes de forma truculenta e autoritária, o papel histórico das Universidades, em especial das Universidades Federais Brasileiras, dos seus Conselhos Superiores e de seus dirigentes. Por se tratar de um espaço aberto ao debate, usam dessa prerrogativa para tentar, sistematicamente, derrubar o mérito acadêmico, como valor inequívoco e indissociável das Universidades; buscam tornar as IFES campos de batalha governista ou antigovernista a partir de uma massa de jovens ávidos por transformações sociais e por realizações profissionais; intentam o fortalecimento de um aparelhamento sindical nos campi com base em jargões dissonantes e descompassados com a vida universitária.

Estudantes, professores e servidores técnico-administrativos desejam ver nas Universidades um espaço de livre expressão de ideias com respeito, crescimento profissional e dignificação do seu trabalho e empenho. Constroem uma Universidade aberta, que seja reconhecida pela sociedade por sua produção acadêmica e por valores socialmente referenciados. Esperam ordem e respeito no espaço público como um valor ético fundamental, o mesmo que recebem em família e almejam na sociedade.

A comunidade universitária não tolera xingamentos, gritos e berros com palavras de ordem sem substância qualificada ou responsabilidade institucional. Afinal, a responsabilidade legal, financeira e social recai principalmente sobre dirigentes, gestores eleitos e nomeados, que exercem um papel representativo digno e legítimo de uma comunidade acadêmica. O respeito aos gestores e aos cargos exercidos, bem como ao Conselho Universitário, é o comportamento que se espera de cidadãos responsáveis e que valorizam a Universidade, pois são pilares da essência institucional.

Não se permite a um dirigente a irracionalidade, o populismo, o clientelismo ou o conformismo. Ao contrário, exige-se o empenho para promover uma gestão eficiente, no caso brasileiro, em meio a um Estado nacional ainda arcaico e burocrático. Cabe a estes gestores, em particular, empregar com responsabilidade e transparência os recursos repassados pelo Estado com o melhor uso para a sociedade. Cabe ainda, com prioridade, promover a ciência e o ensino em alto nível, zelando pelo uso do espaço público nos campi.

A Universidade não é local de uma pseudoliberdade gratuita e irresponsável para pichações, desordem e falta de respeito. Muito menos para abrigar gratuitamente sede de sindicatos, pois estes devem operar, segundo suas próprias regras, em espaços privados pagando tributos como toda a sociedade. A comunidade universitária da UFF exige seus espaços para salas de aula, laboratórios e gabinetes para docentes, servidores técnico-administrativos e discentes.

Com certeza, todas as IFES do País têm como modelo grandes Universidades do mundo. Desta forma, demandam organização, profissionalização e consolidação de uma expansão ainda lenta em função de cortes no orçamento e profunda crise política no Brasil. Não há mais espaço para improvisos e falsas conquistas; todos exigem uma Universidade moderna com plena regularização de processos, inclusive da jornada de trabalho de seus servidores.

Todos honramos o trabalho na Universidade e desejamos provar à sociedade cada parcela do nosso esforço social com recursos públicos. Prestar contas à sociedade sobre o que e como fazemos na Universidade é obrigação de cada um. Exercemos com orgulho talvez uma das atividades mais nobres e comprometidas com o desenvolvimento e a igualdade social no País.

Na Universidade sempre haverá espaço para quem pensa diferente, mas jamais para aqueles que não respeitam este ambiente.

Sidney Mello
Reitor

Para saber mais sobre este informativo

Estes são os dados de contato do setor da universidade que escreveu este informativo:

Grande área: 

Avalie esta página

CAPTCHA
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.