WEBVIDEOQUEST DE FISIOLOGIA VETERINÁRIA

 

 

DIFERENÇAS ANATÔMICAS DO APARELHO REPRODUTOR ENTRE OS ANIMAIS DOMÉSTICOS

Os componentes de importância fundamental para o sistema genital masculino são o pênis, o escroto com os testículos pareados, os epidídimos, vasos deferentes e as glândulas acessórias masculinas (glândulas da ampola, próstata, glândulas vesiculares e bulbouretrais).

Diferenças anatômicas entre as espécies

 

Figura: Pênis de cão - 1-uretra; 2-ânus; 3-músculo retrator do pênis; 4-Bulbo do pênis; 5- corpo cavernoso; 6- músculo ísquio-cavernoso; 7- cauda do epidídimo; 8- Escroto ; 9- Testículo ; 10-cabeça do epidídimo; 11- Prepúcio; 12- orifício externo da uretra; 13- glande; 14- Bulbo da glande; 15-Pênis; 16-canal inguinal; 17- ducto deferente; 18- Bexiga; 19-Ureter; Fonte: http://publications.royalcanin.com/renvoie.asp?type=1&id=102375&cid=117877&com=23&animal=2)#=6&session=7755002

 

Figura: Pênis de gato - 1-Ducto deferente; 2- cordão espermático; 3- Epidídimo; 4- Glande; 5- Glândula bulbouretral; 6-Músculo ísqueo-cavernoso; 7- Próstata; 8- Pênis; 9-Prepúcio; 10-Testículo; 11-Ureter; 12-Uretra; 13-Bexiga;14- Vasos testiculares; Fonte: http://publications.royalcanin.com/renvoie.asp?type=1&id=102375&cid=117877&com=23&animal=2)#=6&session=7755002

 

 

 

Figura: Pênis de equino; fonte: http://www.mcguido.vet.br/anatomia_macho.htm

 

 

 

Pênis de bovino; fonte: http://www.mcguido.vet.br/anatomia_macho.htm

 

 

Figura: Pênis de porco; fonte: http://www.vetmed.lsu.edu/eiltslotus/theriogenology-5361/male reprod_2.htm

 

OBSERVAÇÕES

Todas as espécies possuem próstata

Cão e o gato não possuem glândulas vesiculares

Cão não possui glândula bulbouretral

Touro e varrão possuem flexura sigmóide no pênis

Somente o varrão possue glândula prepucial.

No cão e gato desdtaca-se a presença de um osso peniano

O pênis do cavalo é vascular e apresenta um processo uretral proeminente (protusão da uretra de vários centímetros a partir da superfície da glande).

A flexura sigmóide presente no touro, varrão, carneiro, bode e lhama se torna retilínea durante a ereção e extensão do pênis fibroelástico desses animais.

O cão e gato possui o báculo (osso peniano) que auxilia na penetração vaginal. Nos cães, as glândulas acessórias são representadas pela próstata e ampola.

O pênis do gato apresenta processos espinhosos em sua superfície dependentes de androgênio, sendo sua orientação no sentido posterior.

O varrão possui e glândulas vesiculares e bulbouretrais muito grandes que contribuem para um volume de sêmen grande. No varrão verifica-se o divertículo ou glândula prepucial que acumula células epiteliais em degeneração e urina, ocasionando odores caracteristicamente fortes.

Os testículos do gato, porco e lhama situam-se posteriormente; os do touro, bode e carneiro são ventrais; e os do cão e equino são mais horizontalmente.

O escroto é ausente nos indivíduos masculinos de diversas ordens de mamíferos, estando os testículos localizados na cavidade abdominal. Dentre estes, encontramos os monotremos (mamíferos que botam ovos - onitorrinco), Edentados (tamanduás, preguiças, tatus), elefantes, sirênios (herbívoros aquáticos, incluindo peixe boi) e cetáceos (baleias e golfinhos)

Nos morcegos, na maioria dos roedores, alguns carnívoros e ungulados, a descida dos testículos para o escroto ocorre somente durante os períodos de acasalamento.

Em muitos mamíferos, incluindo as espécies domésticas, os testículos descem para o escroto durante o período fetal ou na última semana antes da ocorrência do parto.

Termorregulação

O escroto mantém os testículos em um ambiente mais frio do que o interior do corpo do animal. A temperatura normal situa-se entre 4°C e 7°C abaixo da temperatura corporal, e a pele escrotal em muitas espécies é bem suprida de glândulas sudoríparas para auxiliar no resfriamento pela perda de calor por evaporação.

A regulação da temperatura dos testículos é também efetuada por contração e relaxamento do músculo cremáster e pela atividade das fibras do músculo liso dentro da túnica dartos. Á medida que o tesículo desce, a artéria testicular torna-se alongada e nos mamíferos com escrotos pendulares, como em ovinos e bovinos, a artéria do lado de fora da cavidade abdominal é ainda mais alongada e espiralada, de modo a formar um cone vascular no cordão espermático.

A artéria espiralada é circundada pelo plexo pampiniforme, que é uma rede de múltiplas pequenas veias que se originam de veias que drenam os testículos. Esse sistema vascular constitui um permutador de calor por contracorrente, em que o sangue arterial é pré-resfriado, antes de chegar aos testículos, e o sangue venoso é aquecido até a temperatura corporal, antes de retornar ao abdome.

 

Referência bibliográfica

SWENSON, M.J.; REECE, W.O.; Dukes Fisiologia dos Animais Domésticos. 11ª ed. Rio de Janeiro, RJ, Editora: Guanabara Koogan, Cap.38, p.623-625, 1996