Ganhamos o 1° Prêmio de Extensão Josué de Castro - Clique acima para mais informações

      Home Acima Conteúdo                                    

Pensamento do Dia: "Sempre que possível, converse com um saco de cimento, nessa vida só podemos confiar naquilo que um dia será concreto".

História do cimento
Prédios Bike Tipos de cimentos Relógio de cimento História do cimento

 

 

 

 

 

 

 

História do Cimento

 

 

 

 

Supõe-se que o homem primitivo, da idade da pedra, já conhecia uma forma de material com propriedades aglomerantes. Ao acenderem fogueiras junto ás pedras de calcário e gesso, parte das pedras descarbonava com a ação do fogo, formando um pó que, hidratado pelo sereno da noite, convertia-se novamente em pedra.

As ruínas romanas (foto 1), as pirâmides egípcias (foto 2) e as muralhas da China (foto 3), provam que no século V antes de Cristo, esses povos já empregavam uma espécie de aglomerante entre os blocos de pedras na construção de seus monumentos.


Foto 1


          
          Foto 2



Foto 3

Posteriormente, os gregos e os romanos passaram a usar um material proveniente da queima de um gesso impuro, composto de calcário calcinado e cinzas vulcânicas.



Esse cimento era misturado com areia e cacos de telhas, formando uma argamassa de notável dureza e que, os romanos executavam com o cuidado de adensar energicamente resultando em construções que resistem até os dias de hoje (foto 4).
               


Foto 4

Os gregos e romanos guardavam em segredo as fórmulas de seus cimentos que, com o declínio de suas civilizações ficaram perdidos no tempo. Assim, na Idade Média houve uma piora na qualidade dos cimentos e esse material praticamente teve que ser desenvolvido novamente.

Por volta de 1756, os ingleses incumbiram o engenheiro John Smeaton de obter um cimento que resiste à água do mar. Nesse momento, ele desenvolveu um cimento já próximo do que mais tarde, viria a ser o Cimento Portland, só que calcinado ainda em temperaturas relativamente baixas.

Com esse cimento se constituiu o farol de Eddystone (foto 5), uma das primeiras construções com Cimento Portland.

               
Foto 5                                            Foto 6


Joseph Aspdin (foto 6) que desde 1811 se dedicou a qualidade do cimento, conseguiu seu intento, definindo proporções mais adequadas das matérias primas e calcinado em temperaturas mais altas (em torno de 800°C).

O material obtido, tinha semelhança com a cor da ilha de Portland, ao sul da Inglaterra (foto 7) e, Aspadin, batizou seu produto de Cimento Portland, recebendo em 1824 a patente concedida pelo Rei George IV (foto 8 e 9).


Foto 7


Foto 8



Foto 9

Por volta de 1828, uma fábrica de cimento em Wakefield, começou a produzir e comercializar, regularmente o Cimento Portland.

Na foto 10, ao lado, pode-se ver o forno de Cimento Portland utilizado por Aspdin, entre o ano de 1847 e 1850. É o mais antigo existente no mundo até hoje, conservado pelos ingleses como marcos histórico.


Foto 10

A primeira tentativa de produzir Cimento Portland no Brasil, se deve ao Comendador Antonio Proost Rodovalho, que em 1888 instalou uma fábrica em sua fazenda, mas que não chegou a produzir regularmente.

Houve também outras tentativas, na Paraíba e no Espírito Santo, mas sem sucesso.

A primeira fábrica a produzir normalmente, no Brasil, foi a Cia Brasileira de Cimento Portland Perus, no ano de 1926. Hoje, o Brasil é um dos oito maiores produtores de Cimento Portland do mundo e, detém uma das mais avançadas tecnologias no fabrico desse insumo.

Só no ano de 2000, o Brasil produziu cerca de 39,6 milhões de toneladas de Cimento Portland.

 

 

Envie mensagem a brunoscipion@gmail.com com perguntas ou comentários sobre este site da Web.