Competição no Brasil

FÓRMULA SAE

O Projeto Fórmula SAE é uma competição de desenvolvimento de produto, onde os estudantes devem conceber, projetar, fabricar, e competir com pequenos carros de corrida estilo fórmula. Iniciada no Texas em 1981, esta competição foi criada para promover uma oportunidade aos estudantes de nível superior para ganhar experiência no gerenciamento do projeto e construção, e para aplicar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso de engenharia. No ano de 2011, 160 equipes participaram da competição nos Estados Unidos, dentre estas, 45 equipes estrangeiras vindas de 14 países diferentes.
Criada em 2004, está a caminho da sua 8ª edição. Em 2010 envolveu 19 instituições de ensino de sete estados brasileiros, num total de quase 350 estudantes de engenharia, número que cresce significativamente a cada ano. As equipes melhor classificadas ganham o direito de representar o Brasil em duas competições internacionais realizadas nos EUA. 
As restrições impostas na estrutura do carro e no motor fazem com que o conhecimento, a criatividade e a imaginação dos estudantes sejam desafiados. O carro deve ser construído por um grupo de alunos em um período de um ano e ser levado para a competição anual para julgamento e comparação com outros veículos de faculdades e universidades de todo o país. O resultado final é uma grande experiência para jovens graduandos em um complexo projeto de engenharia, assim como a oportunidade de trabalhar em um dedicado esforço de equipe, que tem como maior motivação, o aprendizado.
O Fórmula SAE amplia os conhecimentos técnicos e a capacidade de liderança dos alunos, além de lhes dar a oportunidade de vivenciar o processo de desenvolvimento do produto do início ao fim. A equipe precisa fabricar um produto de qualidade dentro de prazo e orçamento bastante limitados. Aqueles que participam do programa ganham experiência significativa em gerenciamento de projeto, design, ensaios, análises, controle financeiro, comunicação e planejamento.
A complexidade dos veículos exige que seus integrantes se especializem nos variados sistemas que compõem um carro deste tipo, como o powertrain, freios, direção, suspensão, sistemas elétricos, chassis e segurança, o que aumenta ainda mais a qualidade dos profissionais que passam pelo projeto em sua vida universitária.


 

A COMPETIÇÃO FÓRMULA SAE
Durante 3 dias de evento, os carros passam por provas estáticas e dinâmicas, avaliando a performance de cada projeto na pista, assim como as apresentações técnicas das equipes, que inclui projeto, custo, e uma apresentação de marketing. Meses antes da competição, os estudantes enviam para o comitê organizador relatórios de custos, estrutura, atenuador de impacto e projeto. Os relatórios são avaliados por engenheiros especialistas, e já valem como a primeira parte da avaliação dos protótipos.

Já durante a competição, nas provas estáticas, as equipes devem demonstrar mais detalhadamente se o carro apresentado no projeto equivale com o apresentado no evento. São avaliadas as soluções apresentadas, nos aspectos de manufatura, custos e qualidade do produto final. Os estudantes devem também comprovar numa apresentação para diretores da indústria automobilística que seu produto é economicamente viável dentro do nicho de mercado. Além das avaliações do projeto, o carro também é avaliado: todos os carros passam por uma criteriosa inspeção técnica, onde são vistoriados itens de segurança e regulamento.
As provas dinâmicas são realizadas no segundo dia do evento. São realizadas provas específicas para determinar o carro melhor ajustado para a competição; prova de aceleração numa reta de 75 metros, prova de estabilidade lateral, e por fim uma volta em uma pista montada por cones.
No domingo, a prova mais difícil de todo o final de semana, um enduro de resistência de 22 km, numa pista travada, que exige muito dos carros e pilotos. Há uma parada no meio da prova para troca de pilotos, e verificação da integridade do veículo. Se uma simples arruela cair do carro, a equipe está desclassificada da prova. Os veículos que conseguirem passar pelo enduro, ainda passam pela prova de consumo de combustível.
Todas as provas são pontuadas de maneiras diferentes, de maneira a garantir que o melhor conjunto de projeto e carro vença a competição.



HISTÓRICO
A competição teve inicio nos Estados Unidos em 1981, substituindo uma versão anterior chamada Mini-Indy. A carência de engenheiros especializados em veículos de alta performance alavancou o surgimento da competição. Impulsionada pelas três grandes montadoras Americanas: General Motors, Ford e Chrysler (hoje Daimler Chrysler); que viram nessa competição uma oportunidade única de garimpar novos engenheiros para suas engenharias de produto. Esse apoio se fortaleceu com o tempo e as empresas ficaram plenamente satisfeitas com os estudantes que eram contratados, tanto que, em algumas edições a competição ocorreu em seus próprios campos de prova, como o da GM (1991), da Ford (1992 e 2006) e da Chrysler (1993).
 
 
Desenvolvido pelos alunos Guilherme Barbosa e Wagner Canelhas