REPRODUÇÃO NAS FÊMEAS

(MORAES, I.A.)

OVÁRIOS

CICLO ESTRAL

FECUNDAÇÃO

GESTAÇÃO

PARTO

PUERPÉRIO

 

OVÁRIOS

1 -  CONCEITO

            É um órgão duplo de forma variável encontrado dorsalmente na cavidade abdominal próximo ao bordo pélvico apresentando função celular e endócrina.

2 - FORMA

Múltiparas - cacho de uva - porca, cadela, gata

Uníparas - ovóide - vaca, ovelha, égua.

            A égua apresenta ovários riniformes com presença de uma fossa de ovulação

            Nas aves apenas o ovário esquerdo é funcional. O direito muitas vezes é um ovostestis

3 - HISTOLOGIA

          Apresenta uma parte medular interna com vasos e nervos

          Apresenta uma parte cortical externa com estruturas funcionais tais como folículos, corpo lúteo e corpo hemorrágico e estruturas vestigiais tais como o corpus fibrosum e corpus albicans . O revestimento é feito pelo epitélio germinativo e a falsa albugínea ovariana.

4 - FOLÍCULOS OVARIANOS

4.1 - FOLICULOS PRIMORDIAIS

          Após a migração das células germinativas primordiais para a crista gonadal ocorre o envolvimento destas pelas células foliculares que se originam  e passa a ser chamado de folículo primordial.  Assim o folículo primordial consta de um ovócito envolvido por uma camada única de células epiteliais achatadas.

          A vaca apresenta ao nascimento cerca de 150.000 folículos primordiais.

4.2 - FOLÍCULOS SECUNDÁRIOS

          São folículos com 2 ou 3 camadas de células epiteliais cuboidais.  Nestes folículos já ocorre a formação da membrana pelúcida.

4.3 - FOLÍCULOS TERCIÁRIOS  => Produzem Estrogênio

   A medida que ocorre processo de multiplicação das células foliculares ocorre aumento no numero de camadas e formação de lacunas repletas por líquido rico em estrogênio devido a coalescência dessas células.  Também ocorre a diferenciação da parede do folículo que passa a ter 2 camadas chamadas de Teca e Granulosa. A camada da Teca pode ainda ser dividida em duas camadas: a teca externa de estrutura fibrosa e a teca interna celular e produtora de hormônio esteróide.

  Observa no final desse estágio uma grande lacuna (ou antro) repleta de líquido e com manutenção do oócito envolvido por células da granulosa que forma o cummulus oophorus (montículo ovárico ou eminência germinal).

4.4 - FOLÍCULOS ATRÉSICOS

  Correspondem a folículos em qualquer estágio (I, II ou III) em processo de degeneração que acabam desaparecendo e deixando apenas uma estrutura vestigial com aspecto hialino chamada de Corpus fibrosum.

 Observações

· Durante um ciclo estral a maior parte dos folículos que iniciam o seu desenvolvimento entram em atresia e apenas um deles a cada ciclo chega a ovulação.

· O mecanismo que determina a evolução ou maturação folicular ainda está pouco esclarecido mas hoje acredita que exista uma fase de Recrutamento que está na dependência da presença de receptores para FSH/LH na parede celular. Uma vez recrutados alguns poderão sofrer a atresia ou evoluir ainda mais transformando-se em secundários e terciários. Dependendo da quantidade de estrogênio produzido o folículo poderá ser selecionado para continuar crescendo posto que o estrogênio é capaz de criar receptores para o FSH na parede do folículo.  Este processo é chamado de seleção folicular.  Somente um dos folículos selecionados evoluirá para a ovulação e os demais entrarão em atresia.  Acredita-se que exista um mecanismo de dominância folicular onde um foliculo maior domine sobre os menores. O fato é evidenciado, mas não se sabe exatamente de que maneira esta Dominância é exercida.

5 - CORPO HEMORRÁGICO

          É a estrutura de consistência friável semelhante a um coágulo que surge no local do folículo rompido.  Não existe nos ovinos e nas aves.

6 - CORPO LÚTEO => Produzem progesterona

· Também inexistente nas aves.

· Corresponde a uma estrutura de cor amarelada ( por isso também chamado de corpo amarelo) que substitui o corpo hemorrágico.  Ocorre proliferação das células da teca e granulosa que invade o corpo hemorrágico alterando-o completamente, seguindo-se a acumulação de grânulos de luteina que confere o aspecto já mencionado.  Após a luteinização a estrutura é chama de corpo lúteo.

· O corpo lúteo pode ter duração variável. Quando este é formado em ciclo estral sem ocorrência de gestação é chamado de Corpo Lúteo Cíclico e tem vida curta ( mais ou menos 12-14 dias).  Caso ocorra a gestação o corpo lúteo é chamado de Gestacional e se mantém até o final da gestação.

· Na égua mesmo quando prenhe ocorre formação de corpos lúteos acessórios até mais ou menos até 150 dias da gestação pois estes são sempre de curta duração, mas nesta espécie a produção de Progesterona é substituída pela Placenta.

· Na cadela o corpo lúteo dura em média 30 a 60 dias.  Quando ultrapassa este período e ainda ocorre aumento de Prolactina a cadela normalmente apresenta a Pseudociese.

7 - CORPUS ALBICANS

            Corresponde ao corpo lúteo sem função ou mesmo a cicatriz deixada pelo corpo lúteo na superfície do ovário.

8 - FUNÇÕES DO OVÁRIO

8.1 - Função celular => corresponde tão somente a produção de gametas femininos - oócito.

8.2 - Função endócrina

=> Produção de Estrogênio (responsável principalmente pelas características sexuais secundárias, sinais de cio e desenvolvimento da glândula mamária)

=> Produção de Progesterona - responsável pela manutenção da gestação, lactação e ainda pelo comportamento materno.

=> Produção de Inibina (importante para a regulação endócrina por f eed back negativo)

 => Produção de Ocitocina ovariana que parece influir no processo de involução do corpo lúteo.

=> Produção de Relaxina que facilita a passagem do feto no canal do parto

=> Além disso, já foram evidenciadas cerca de 25 substancias diferentes no líquido folicular com funções ainda pouco esclarecidas.

9 - OVULAÇÃO

            Corresponde a ação do LH sobre o folículo que passa a sintetizar enzimas hidrolíticas capazes de desintegrar a matriz de tecido conjuntivo fragilizando a parede do folículo e permitindo o seu rompimento.

· A maioria dos animais apresenta cios naturais com ovulações espontâneas, mas alguns apresentam ovulações induzidas como as fêmeas de coelhos, gatos, camelos, furão, mink (visão, zorrilho), field vole (tipo de rato).

· Os ratos de laboratório, camundongos e hamster ficam a meio caminho pois quando há coito a prolactina é liberada e o corpo lúteo se mantém, entretanto, na ausência do coito o corpo lúteo dura apenas 3 dias.

· Nos cães, furões, cangurus e wallabis (pequeno canguru) o tempo de vida do CL cíclico e gestacional não difere.

NA PUBERDADE

            A fêmea recém nascida e até mais ou menos 3 meses de idade já apresenta folículos em crescimento com pouca concentração de esteróides, porém o hipotálamo é hipersensitivo a estes esteróides e mantém-se hipo-ativo por feed-back negativo.

Na puberdade e perde hipotálamo perde a hipersensitividade aos esteróides e passa a secretar o GnRH que atua na hipófise e leva a liberação de FSH e LH e ocorre a primeira ovulação normal, entretanto, sem sinais externos de cio.

No CICLO ESTRAL

            Existe um momento no final do ciclo que o Corpo lúteo está perdendo a sua função secretora de Progesterona e ocorre o crescimento folicular com secreção de Estrogênio que por feed back positivo

Topo

CICLO ESTRAL

1 - DEFINIÇÃO

            É o período compreendido entre dois estros, de duração variável, porem em torno de 20 dias, apresentando  fases bastante evidentes e caracterizado por modificações da genitália tanto interna quanto externa assim como no comportamento da fêmea. 

            Os animais quanto ao desenvolvimento do ciclo estral são classificados em

Poliéstricos estacionais => éguas

Poliéstricos não estacionais => vacas

Monoéstricos => cadelas

2 - FASES DO CICLO     (Proestro - Estro - Meta-estro - Diestro)

· O Proestro e o Estro são também chamadas de fases estrogênicas ou Proliferativas.

· As fases de Meta-estro e Diestro são chamadas de fases progesterônicas ou Secretoras.

3 - DURAÇÃO DAS FASES

PROESTRO
ESTRO
META-ESTRO
DIESTRO
Vaca
3 a 4 dias
12-18 horas
3- 5 dias
10-12 dias
Égua
6 a 7 dias
15 a 16 dias
Porca
+/- 3 horas
+/- 56 horas
Cerca de 18 dias
Cadela
5 a 9 dias
6 a 12 dias
30 a 100 dias

· O estro da égua pode variar de 2 a 11 dias, sendo normalmente mais longos na primavera e mais curtos no verão.

· A cadela após uma fase progesterônica chamada de metaestro ou diestro entra na fase de ANESTRO.

4 - ESTUDO DAS FASES

PROESTRO

ESTRO

META-ESTRO

DIESTRO

Ovário

Folículo com com cerca de 1,5cm

Folículo  com cerca de 2,0cm, tenso, parede fina e fácil ruptura

Corpo hemorrágico

Corpo Lúteo

Principal hormônio

Estrogênio

Estrogênio

Estrogênio em queda e Progesterona subindo

Progesterona

Útero

Túrgido e aumentado de volume

Maior, + túrgido, erétil

Inicia a flacidez e pode alternar contração e flacidez

Flácido

Cervix

Começa relaxar, aparece o muco

Relaxamento completo, > volume, muco intenso

Inicia o fechamento

Fechada

Vagina e Vulva

Inicia hiperemia e edema

Edematosa, congesta, Muco copioso

Pálidas e secas ou com pouco muco

Pálida e seca

Comporta-mento

Inquietação, olhar vivo, anorexia, urina com freqüência, maior vocalização, montam sobre outros animais e não aceita ser montada

Todos os sinais do proestro ainda mais evidentes e o animal aceita a monta com complacência.

Tranqüilidade

Tranqüilidade

· A gata, ao manifestar o cio (estro) apresenta uma conduta sexual característica caracterizada por rolamento sobre si mesma, rastejamento e apresenta sua cauda elevada, num tipo de cortejo ao macho.

· A conduta sexual que antecede a cópula difere bastante entre os animais domésticos, assim como o local onde o animal deposita seu ejaculado (Observe a tabela na Reprodução dos machos ). A conduta sexual dos bovinos se dá da seguinte forma:

5 - SANGRAMENTOS RELACIONADOS COM OS CICLOS REPRODUTIVOS ENTRE OS ANIMAIS

· A cadela, a vaca e a mulher apresentam sangramento durante os seus ciclos sexuais. 

· Na cadela ocorre a Hemorragia do Proestro e deve-se a passagem de hemácias através da parede dos vasos para a luz uterina em função da rápida elevação do Estrogênio.

· Na vaca ocorre a Hemorragia do Meta-estro por passagem das hemácias devido a súbita diminuição do estrogênio e aumento da Progesterona. 

· Na mulher, a baixa de progesterona leva a vasoconstrição das arteríolas espirais do endométrio acarretando necrose do tecido. Em seguida a produção de substâncias vasodilatadoras (histamina, bradicinina e prostaciclinas e outras prostaglandinas) determinam uma hemorragia chamada de menstruação

6 - O PAPEL DA PROSTAGLANDINA

A prostaglandina é um autacóide produzido pela parede do útero com capacidade de aumentar a espessura da célula endotelial dos vasos que nutrem o Corpo lúteo, diminuindo a capacidade de perfusão de substâncias e comprometendo a sua nutrição.  Este processo é chamado de luteólise ou Lise do Corpo lúteo.

7 - ENDOCRINOLOGIA DO CICLO ESTRAL NA VACA

PROESTRO

· Inicia quando a concentração de P 4 está baixa e ocorre um rápido crescimento folicular estimulado pelo FSH e LH que determinam aumento do E 2

ESTRO

  • Inicia-se quando a fêmea sobre forte estimulação estrogênica aceita a monta pelo macho ou por companheiras do rebanho.

  • O estrogênio apresenta-se com um padrão pulsátil e relacionado com o LH , semelhante àquele apresentado no proestro. 

  • Em torno de 4 a 6 horas do início do cio ocorre uma onda pré-ovulatória de LH com duração média de 8 horas e cerca de 26 ± 7 horas antes da ovulação.  Esta onda é caracterizada por  um aumento tanto na amplitude quanto na freqüência dos pulsos de LH.  Uma onda concomitante  de FSH  também é observada.

  • A Progesterona encontra-se em níveis basais

  • Todas as espécies domésticas ovulam durante o estro, com exceção da vaca.

METAESTRO

· Esta fase inicia-se quando a fêmea não aceita mais a monta e nela ocorre a  ovulação cerca de 12 horas após finalizado o estro e segue-se a formação do corpo hemorrágico.

· Após a ovulação o nível de Progesterona começa aumentar ao redor do terceiro dia e atinge plateau ao redor do décimo dia já na fase de diestro.

DIESTRO

· Inicia quando o corpo lúteo está formado e se mantém em pleno funcionamento.

· Caracterizado pelo aumento da concentração de P 4 até o 12° dia do ciclo quando então estabiliza e mantém-se até o 17° dia do ciclo.  A partir daí há declínio brusco por ação da PGF 2 @.

· Com relação ao estrogênio observam-se baixos níveis durante o diestro e isto pode ser justificado pelo fato dos folículos antrais não apresentarem o sistema aromatase ativado.

Observações

· Podem ocorrer de 2 a 4 ondas de crescimento folicular durante o ciclo estral da vaca, entretanto, somente na onda de crescimento que ocorre no final do Diestro um dos folículos não sofre a atresia e evolui para a ovulação. Nas demais ondas todos os folículos, sejam eles primários, secundários ou terciários sofrem atresia (degeneração).

· O Folículo de ½ de ciclo é um folículo que cresce mais que nas outras ondas e pode inclusive levar a sinais externos de cio e ovulação.

· A medida que o FSH aumenta sua concentração ocorre aumento concomitante de receptores para o próprio FSH e para o LH nas células foliculares da teca interna e granulosa.  O aumento do FSH estimula a síntese de Estrogênio nas células da granulosa a partir da aromatização dos androgênios que são produzidos e repassados pela teca interna.  Enquanto o Estrogênio encontra-se em níveis basais é mantido sua produção por efeito do feed back negativo, mas, a medida  que atinge maior concentração passa a operar o feed back positivo sobre o hipotálamo e hipófise com aumento da liberação de LH.  Além de determinar a ovulação por lise da parede folicular, o LH atua sobre a granulosa que deixa de sintetizar Estrogênio e passa a armazenar a luteína (grânulos lipídicos) e transforma-la em Progesterona.

LEIA MAIS:

FISIOLOGIA DO CICLO ESTRAL EM CADELAS

EXAME GINECOLÓGICO EM CADELAS

Topo

FECUNDAÇÃO

1 - CONCEITO

            Trata-se da união de um oócito com espermatozóide dando início a formação de um novo indivíduo e compreende um conjunto de eventos celulares que se inicia com a penetração do oócito e vai até a singamia.

2 - FATORES QUE INTERFEREM

2.1- Viabilidade dos gametas

            É necessário que os gametas encontrem condições de higidez tanto no ambiente por onde sofrerá o trânsito assim como no sítio da fecundação (Ampola).  O espermatozóide é normalmente lançado no fundo de saco vaginal e deverá percorrer o canal cervical, corpo e corno do útero e oviduto até a região da ampola.  O oócito tem um trânsito muito menor, portanto, do que o espermatozóide.

            Além disso, deve-se considerar a duração da vida fecundante do oócito que está entre 6  e 8 horas e do espermatozóide entre 24 - 36 horas.

· Algumas espécies de morcego podem ser acasalar no outono e os espermatozóides permanecem viáveis no oviduto até que a fêmea ovule na primavera.

· Segundo a literatura os espermatozóides podem durar de 24 a 48 no sistema genital das vacas, ovelhas e porcas, até 5 dias no sistema da égua e até 90 horas no sistema da cadela.

2.2 - Transporte dos Gametas

            Para o oócito é necessário uma conjunção hormonal (Estrogênio)  que favoreça o batimento dos cílios do oviduto no sentido da ampola .

            Para o espermatozóide é necessária a existência de movimentos próprios e vigorosos além das contrações uterinas.

2.3 - Capacitação do SPTZ

            É necessário que o espermatozóide de bovino sofra um processo de preparação que dura de 7 a 8 horas para que possa fecundar um oócito, no suíno este período é de 1 a 2 horas. Durante a capacitação ocorre remoção das glicoproteinas originárias do plasma seminal e líquido epididimário além de ativação das enzimas hidrolíticas do acrosoma  conferindo ao espermatozóides capacidade para penetrar na parede do oócito.

Topo

GESTAÇÃO

1 - CONCEITO

            Período compreendido entre a fecundação e o nascimento caracterizado por alto nível de Progesterona em circulação e íntimo contato materno-fetal.

2 - PERÍODOS

2.1 - PERÍODO DE OVO

=> Vai da Fecundação até a Fixação

=> Neste período a nutrição se faz pelos histiotrofos

=> Neste período ocorre a migração embrionária

DURAÇÃO DO PERÍODO DE MIGRAÇÃO  EMBRIONÁRIA 
BOVINOS = Até 15-30 dias
EQÜINOS = Até 25-30 dias
CADELA E GATO = De 13 a 17 dias
OVINOS = Até 15 dias
SUÍNOS = Até 14 dias
COELHOS = 4 a 6 dias

obs*  Na fase anterior a implantação pode ocorrer um período chamado de "Embryonic Diapause" que pode-se estender por até 1 ano no canguru, até 10 meses no texugo europeu e até 10 dias no rato.  O blastocisto atinge a fase de 100 células e paralisa o seu desenvolvimento.  Volta a se desenvolver quando o momento for oportuno para a sobrevivência do recém nascido.

2.2 - PERÍODO DE EMBRIÃO

=> Vai da fixação até a placentação completa.

=> Neste período forma-se a maior parte dos sistemas e observa-se inclusive o batimento cardíaco.

=> A placentação do bovino ocorre em torno dos 45 dias de gestação.

2.3 - PERÍODO FETAL

=> Vai da placentação até o nascimento

3 ANEXOS PLACENTÁRIOS

3.1 - CONCEITO

   São os componentes da unidade materno-fetal que garantem as trocas necessária, a proteção e o  desenvolvimento do feto no interior do útero.

3.2 - CONSTITUINTES

3.2.1 - MEMBRANA AMNIÓTICA

· É a mais interna das membranas e encontra-se revestindo direta e totalmente o feto, e parte do cordão umbilical.

· Apresenta-se com folheto duplo e forma uma bolsa repleta de líquido.

· O líquido amniótico existente nesta bolsa é viscoso e de cor clara. É proveniente da transudação  da superfície cutânea do feto e do cordão umbilical, da secreção do folheto interno da membrana e das cavidades nasais e oral do feto, além de urina fetal por via vaginal ou prepucial de acordo com o sexo do feto.

FUNÇÕES:

- Hidratar o feto

- Protegê-lo dos choques mecânicos

- Nutritiva

- Laxativa

- Lubrificação do canal do parto.

3.2.2 - MEMBRANA ALANTÓIDE

· É a membrana intermediária entre o córion e o ânion.

· Apresenta membrana dupla chamadas: Alantocórion (aderida ao córion)  e Alantoâmnion (aderida ao âmnion). Entre esses dois folhetos forma-se uma bolsa repleta de líquido alantoidiano que está ligado a vesícula urinária do feto através do úraco, sendo portanto semelhante à urina (rico em uréia e catabólitos de produtos nitrogenados).

· A cor do líquido varia durante a gestação deixando de ser incolor e transparente e tornando-se na ocasião do parto branco azulado nas vacas, e vermelho ou variando do cinza claro ao azulado nas éguas.

· O volume de líquido alantoidiano varia a medida que a gestação progride e atinge ao final desta cerca de 4 a 12 litros na vaca, 7 a 15 litros na égua, 1 a 2 litros nos pequenos ruminantes e 500 mL nas cadelas

  FUNÇÕES:

- Proteção mecânica do feto contra traumas

- Impede a desidratação

- Favorece o equilíbrio evitando a torção uterina.

- Promove dilatação da cervix , vagina e vulva no trabalho de parto

- Aumenta a lubrificação da vagina após o rompimento da bolsa

- Ação bactericida

3.2.3 - MEMBRANA CORIÔNICA

· É a membrana mais externa formando um saco completamente fechado e sem líquido.

· É constituída de dois folhetos: um externo que sofre modificações e dá origem à placenta fetal, e outro interno, intimamente relacionado com a alantóide denominado alantocórion. Neste ponto existem numerosos pequenos vasos sangüíneos que garantem a nutrição fetal.

· Tem por função a proteção e garantia através da união entre feto e mãe de ocorrência de trocas respiratórias e nutritivas através das superfícies modificadas (placenta fetal).

3.2.4 - PLACENTA

· Pode ser dividida em placenta fetal e placenta materna.

· A placenta materna é a parte da mucosa uterina modificada que na vaca corresponde às carúnculas.  E a placenta fetal é toda a parte externa do córion que se modifica para se unir à placenta materna. Chamada de cotilédone.

· A placenta como um todo é também chamada de placentoma e corresponde a unidade materno-fetal que garante as trocas necessárias ao desenvolvimento do feto no interior do útero.

Funções:

- Circulatória

- Respiratória

- Metabólica

- Hormonal

- Filtro

- Alimentação do Feto

· A função hormonal da placenta é principalmente a produção de progesterona para manter a gestação. Em algumas espécies como nas éguas, por exemplo, a placenta substitui completamente o corpo lúteo no ultimo terço da gestação, mas em outras espécies, tais como vacas, cadelas e gatas, ainda que haja produção de progesterona pela placenta, elas são dependentes de um corpo lúteo funcional até o final da gestação.

TIPOS DE PLACENTA

Tipo de placenta

Estruturas envolvidas

Espécies

Epitelio-corial

Epitelio Uterino + Córion

Ruminante - cotiledonária

Eqüino e Suíno - Difusa

Endotelio-corial

Endotélio uterino + Córion

Cadela e Gata - Zonária

Hemo-corial

Sangue materno + Córion

Mulher, macaca , camundonga, coelha e ratas

Obs* Alguns autores consideram as ovelhas como tendo placenta do tipo sindesmocorial pois o epitélio do córion une-se ao conjuntivo da mucosa uterina.

De acordo com a modificação da mucosa uterina, as espécies podem ser classificadas como:

· Deciduadas => maior destruição da mucosa uterina. EX. gata, cadela, coelha e mulher.

· Intermediárias => alguma  destruição da mucosa. Ex. ovelhas

· Adeciduadas => pouca destruição da mucosa. Ex. vaca, égua, cabra e porca

3.2.5 - CORDÃO UMBILICAL

· Serve de comunicação entre o feto e mãe e está composto por uma porção do âmnion, pelas veias e artérias umbilicais, restos da vesícula vitelina e úraco, tudo isso envolvido pela gelatina de Wharton. 

· Nas éguas e carnívoros, existe uma porção amniótica e outra alantoidiana, já nos ruminantes, não existe uma parte alantoidiana.

· Nas éguas normalmente as veias se fundem e encontramos duas artérias e uma veia, e nas vacas isso não acontece e encontramos duas veias e duas artérias.

4 - CONSIDERAÇÕES GERAIS sobre a gestação

4.1 - DURAÇÃO DA GESTAÇÃO

RATA = 23 (+/- 1 d)
GATA  = 58 (+/- 2 d)
CADELA  = 63 (+/- 2 d)
PORCA  = 114 (+/- 1 d)
CABRA E OVELHA = 150 (+/- 6 d)
VACA  = 280 (+/- 10 d)
ÉGUA  = 336 (+/- 1 d)
JUMENTA  = 364 d
ALIÁ = 610 d

4.2 - MODIFICAÇÕES OBSERVADAS NA GESTAÇÃO

4.2.1 - PESO CORPORAL => aumento de 15 a 25%

4.2.2 - METABOLISMO ENERGÉTICO => Aumento de 30 a 40%

4.2.3 - VOLUME/MINUTO NO CORAÇÃO => Aumento de 30 a 35%

4.2.4 - APROVEITAMENTO DE NUTRIENTES => Aumento de 10 a 30%

4.2.5 - HIPERTROFIA UTERINA

· O útero da égua fora da gestação pesa entre 800g a 1Kg e por ocasião do parto pesa entre 8 e 12 Kg.

· O útero da Vaca passa de 500g a 1kg fora da gestação para cerca de 10Kg no final da mesma.

· Foi observado que o comprimento da fibra uterina passa de 50-150um para 700-800 um.

O Volume interno que a gestação ocupa no bovino corresponde a Líquidos fetais (12Kg), Útero (10Kg), Placenta (3Kg) e o volume do próprio bezerro (30Kg). Assim  existem cerca de 55Kg extra no fim da gestação.

Topo

PARTO

1 - CONCEITO

            Corresponde a expulsão de um ou mais conceptos a termo (com capacidade de sobrevivência fora do ambiente materno) devido à ação conjunta neuro-hormonal e mecânica que prepara a mãe (Via materna) para a expulsão do feto.

            No período que antecede o parto (PRÉ-PARTO) ocorre a maturidade feto-placentária em sincronismo com a função glandular mamária garantindo a vida do recém nato.  Quando este parto ocorre de forma natural (EUTOCIA) segue-se um PÓS-PARTO caracterizado por uma rápida involução uterina e um rápido retorno da atividade ovariana cíclica.

· Assim existem na vida da fêmea dois períodos bastante significativos para a vida reprodutiva (produtiva): Pré-parto e Pós-parto.  E existem duas situações a serem observadas por ocasião deste parto: a EUTOCIA, também chamada de parto fisiológico, normal ou facilitado e a DISTOCIA também chamada de Parto anormal ou Laborioso.

2 - MECANISMOS DE DESENCADEAMENTO DO PARTO

            Várias teorias existiram para explicar o desencadeamento do parto, no entanto, a aceita atualmente postula um desencadeamento dependente da maturação do eixo hipotálamo-hipofisario-adrenal do feto que responde adequadamente ao estresse percebido por ocasião do fim da gestação produzindo cortisol que desencadeia uma cascata de eventos que culminam com a expulsão do feto.

            O estresse do feto é gerado pelo desconforto existente no ambiente uterino dado ao seu volume e o pouco espaço disponível.  Fisiologicamente o feto responde ao estresse produzindo e liberando o CRH (Hormônio de Liberação de Corticotrofina) que age sobre as células corticotróficas da hipófise determinando a liberação de ACTH  (Hormônio adrenocorticotrófico) que age sobre a adrenal fetal resultando no aumento de Cortisol na circulação fetal.

            A medida que o parto se aproxima a concentração de cortisol cresce de forma gradual ( da terceira semana  até 4 dias pré-parto a concentração de cortisol passa de 4 ng/ml para 25 ng/ml ).

            O nível aumentado de cortisol na circulação ativa o sistema que converte a Progesterona  e Pregnenolona até então produzidas pela placenta em Estradiol.

            Por sua vez, o aumento na concentração de Estradiol  pela placenta inicia os eventos que vão levar a lise do corpo lúteo gestacional e preparar o útero para uma maior propriedade de contractilidade.  Isto se faz pela estimulação no útero para  a produção da luteolisina (PgF2a)  e pelo aumento na sensibilidade dos receptores uterinos a ocitocina.

            Neste momento em especial temos as ação hormonal da PGF2a que alem de lisar o Corpo lúteo tem propriedade mio-contrátil uterina determinando compressão do feto em encontro da cervix que geram impulsos nervosos que agem nos centros medulares e são transmitidos ao Hipotálamo que responde produzindo e liberando grandes quantidades de ocitocina.

            Passa a existir neste momento uma consonância de eventos que aumentam as contrações  uterina ( aumento de E2, diminuição de P4, aumento de ocitocina, receptores mais sensíveis) e as tornam mais coordenadas e mais freqüentes a medida que aproxima o momento do parto.

            Junto ao preparo do útero para garantir maior capacidade de contração ocorre o preparo do canal do parto com relaxamento da cérvix, dos ligamentos pélvicos e uma dilatação generalizada do canal do parto se faz evidente entre 1 e 2 dias antes do parto.  Deve ser considerado ainda a relaxina de origem ovariana (provavelmente produzido pelas celulas luteinizadas da granulosa) que tem sido implicada na regulação deste processo de relaxamento das partes moles, assim como o Estrogênio e a PGF2a. 

            A toda esta força de contração deve-se ainda considerar que existe a prensa determinada pelos músculos abdominais que contribuem com 10% da força total de trabalho do parto.

            Durante o estresse do parto, a adrenal materna eleva a secreção de corticóides (15 ng/ml). Os glicocorticóides são essenciais, na vaca, ao estabelecimento da secreção láctea pela glândula mamária, bem como a prolactina serve à função similar.

FATORES HORMONAIS = CRH, ACTH, cortisol, baixa de P4, alta de E2, PGF2a, ocitocina.
FATORES MECÂNICOS = Contrações miométricas e abdominais, compressão do feto sobre a cervix.
FATORES NERVOSOS = Estímulos originados na cervix que atingem o hipotálamo.

           Sob a ação do E2, PGF2a e  relaxina inicia-se o relaxamento dos ligamentos sacroisquiático e sacroilíaco, provocando uma aparente elevação da inserção da cauda (afundamento da garupa), além do aumento de volume da glândula mamária, nos 15 a 20 dias que antecedem o parto.  Um a dois dias antes parto estes sinais se intensificam e os tecidos moles, vulva e vagina tornam-se aumentados, edematosos, flácidos e relaxados.

            12 a 15 horas antes do parto a temperatura corporal da porca aumenta em mais ou menos 1 Grau.  Nas demais espécies a temperatura corporal diminui.

FASES DO PARTO

PRIMEIRA FASE - FASE DE PREPARAÇÃO OU PRODRÔMICA

- ação uterina da P4, E2 e Relaxina

- embebimento plasmático de algumas estruturas

- corrimento vaginal mucoso

- diluição do selo cervical

- afundamento da região da bacia e elevação da cauda

- secreção láctea

- inquietação, alienação e isolamento

              DURAÇÃO - Corresponde aos últimos 15 a 20 dias da gestação.

SEGUNDA FASE - FASE DE DILATAÇÃO E INSINUAÇÃO

- órgãos genitais sob intensa ação hormonal

- insinuação das bolsas fetais com possível ruptura da alantóide.

- relaxamento e distensão da cervix

- aumento no número e intensidade das contrações

- exteriorização das bolsas fetais

- sinais de dores abdominais ( olhar para o flanco, sudorese, inquietude)

DURAÇÃO

3 a 8 horas nos bovinos
2 a 6 horas nos eqüinos
4 a 12 horas nos suínos
2 a 5 horas nos pequenos ruminantes
2 a 6 horas nos carnívoros

TERCEIRA FASE - FASE DE EXPULSÃO

- Começa com o início das contrações abdominais

- encaixe gradual e progressivo do feto no conduto pélvico materno

- expulsão do feto

- expulsão dos anexos (Segundo alguns autores)

DURAÇÃO

1 a 3 horas na vaca    
5 a 15 minutos na égua
1 - 6 horas na porca  
1 a 4 horas nos pequenos ruminantes
Até 9 horas na cadela

Na égua a extensão da fase de expulsão pode determinar a morte do potro por sufocamento pois o córion se separa completamente do endométrio durante esta fase.

Na porca  é comum a expulsão de um feto a cada 3 a 8 minutos. E na cadela 1 a cada 10-30 minutos, podendo haver intervalo de 1 hora ou mais entre fetos, entretanto deve ser completado entre 3 a 6 horas.

Em algumas espécies nesta fase pode ocorrer a expulsão dos anexos fetais, que podem estar envolvendo o feto (égua, porca, cadelas, gatas) ou serão eliminados posteriormente.

TEMPO PARA EXPULSÃO DOS ANEXOS FETAIS

ÉGUA -  Cerca de 30 minutos após o parto
VACA - 2 a 12 horas após
PEQUENOS RUMINANTES - 30 minutos até 2 horas após
PORCAS E CADELAS - podem ser expulsos juntos com o feto, imediatamente após, ou nos intervalos entre um feto e outro.

Topo

PUERPÉRIO

            Para a vaca, o puerpério vem sendo definido como o período que vai desde o parto até o aparecimento do primeiro estro no qual nova gestação possa ser estabelecida, o que implica em completa involução uterina e retorno a atividade endócrina, com plena reativação e sincronia do eixo hipotálamo-hipófise-ovário, que permita o crescimento folicular, estro, ovulação, concepção, desenvolvimento do corpo lúteo e gestação.

            A involução deve compreender o aspecto macroscópico e microscópico (histológico) das estruturas uterinas retornando ao status normal.  O processo de reepitelização da carúncula ocorre em torno de 25 dias em animais normais podendo retardar em animais com infecção uterina.  O tamanho do útero diminui rapidamente, podendo ser inteiramente palpado por via retal entre 7 e 10 dias após o parto, estando com seu tamanho não gravídico atingido por volta dos 45 dias, embora as mudanças não sejam facilmente perceptíveis após o vigésimo dia.

            Esta fase é caracterizada pela eliminação do LÓQUIO um líquido formado de tecido caruncular, restos celulares, leucócitos e sangue.

DURAÇÃO

VACA = 45 DIAS
CADELA = 90 A 120 DIAS
ÉGUA e DEMAIS ESPÉCIES = POUCOS DIAS

            A atividade ovariana pós-parto é reiniciada em torno do 15 dias pp. sendo possível a ocorrência de ovulação seguindo-se uma fase lútea mais curta que o normal com magnitude de Progesterona também inferior.  Normalmente não se observa sinais de cio (Cio silencioso) por ocasião da primeira ovulação, mas um novo ciclo se inicia e os eventos endócrinos cíclicos regulares tendem a se estabelecer.

            Nas vacas de corte com bezerro ao pé este retorno atividade cíclica ovariana é retardado devido ao estímulo negativo que a amamentação exerce sobre o funcionamento do eixo hipotalâmico-hipofisário-gonadal.

            Na maioria dos animais o útero torna-se contaminado com bactérias durante ou após o parto normal, formando uma flora variada e flutuante.  Esta flora geralmente é eliminada por ocasião do primeiro cio pós-parto, quando a concentração de estrógenos é elevada, tornando-se o útero livre de bactérias e apto para nova gestação.

Topo

BIBLIOGRAFIA COMPULSADA E RECOMENDADA

1. ALLEN - Fertilidade e Obstetrícia eqüina. Livraria Varela, São Paulo. 1994. 207 p.

2. ALLEN - Fertilidade e Obstetrícia no cão. Livraria Varela, São Paulo. 1995. 197 p.

3. ARTHUR, G.H. Wright's veterinary obstetrics. 3 ed. London, Bailliere, Tindal and Cox, 1964.

4. AUSTIN & SHORT- Reproduction in Mammals. Book 1 - Embryonic and fetal development. 2° ed. Cambridge University Press, Cambridge-UK, 1982.190p.

5. AUSTIN & SHORT- Reproduction in Mammals. Book 3 - Hormonal control of reproduction. 2° ed. Cambridge University Press, Cambridge-UK, 1997.

6. AUSTIN & SHORT- Reproduction in Mammals. Book 4 - Reproductive fitness. 2° ed. Cambridge University Press, Cambridge-UK, 1985.241p.

7. BENESCHI, F.  Tratado de Obstetrícia y ginecologia veterinária. Labor. Barcelona, 1963. 853 p.

8. BENESCHI, F. Obstetricia de la vaca y de la yegua. 2 ed. Barcelona Labor , 1950.

9. SWENSON M.J. & REECE W.O.   Dukes Fisiologia dos animais  domésticos. 11 a . ed. Editora Guanabara Koogan - Rio de Janeiro -RJ. 856p. 1996.

10. BURKE - Small Animal Reproduction and Infertility

11. Carlson, B.M. Embriologia Humana e Biologia do Desenvolvimento. 1 a . ed. Editora Guanabara Koogan- Rio de Janeiro-Rj. 1996. 408p.

12. CUPPS - Reproduction in Domestic Animals. 4ª ed. Academic Press, INC. San Diego, California, 1991. 670p.

13. DERIVAUX, J. Reprodução dos animais domésticos. Ed. Acribia, Zaragoza - Espanha, 1980. 446 p .

14. DRAZNER - Small Animal Endocrinology

15. FELDMAN & NELSON - Canine and Feline Endocrinology and Reproduction . 2ª ed.  W.B. Saunders Company. Philadelphia, Pensylvania, 1996. 785.

16. GETTY ,R. Anatomia dos Animais Domésticos. 1º e 2º volumes. 5º edição. Editora Interamericana.  Rio de Janeiro-RJ. 1981.

17. GRUNERT, E. Manual de obstetricia. Porto Alegre. Ed Sulina, 1982.

18. HAFEZ, E.S.E. 1982. Reprodução Animal. 4º edição. Editora Manole.

19. JACKSON, P.G.G. Handbook of veterinary obstetrics 1 a .ed. W.B. Saunders Company Limited. London-UK. 221p. 1995.

20. JUBB, K.V.F. & KENEDY, P.C. Patologia de los animales domesticos.  Barcelona, Labor, 1973. 2v.

21. McKINNON - Equine Reproduction. Lea &Febiger. Malvern - Pensylvania, 1992, 1137 p.

22. MORROW - Current Therapie and Theriogenology.  W.B. Saunders Company. Philadelphia, Pensylvania, 1986. 1143p.

23. REECE W.O. Fisiologia de animais domésticos. 1 a . ed.  Editora Roca Ltda, São Paulo-SP. 351p. 1996.

24. ROBERTS, S.Y. Veterinary obstetrics and genital diseases. Ithaca, N.Y. 1956.  551p

25. Ruckebusch, Y, Phaneuf, L.F. Dunlop, R. Physiology of  small and large animals.  1 a . ed. B.C.Decker, Inc. Hamilton-Ontario-Canada. 1991. 672p.

26. SCHALLER, O.   Nomenclatura anatômica Veterinária Ilustrada. 1 a . ed. Editora Manole Ltda, São Paulo-SP. 614p. 1999

27. SWENSON M.J. & REECE W.O.   Dukes Fisiologia dos animais  domésticos. 11 a . ed. Editora Guanabara Koogan - Rio de Janeiro -RJ. 856p. 1996.

28. TONIOLLO & VICENTE - Manual de Obstetricia Veterinária Livraria Varela, São Paulo, 1993.  124 p.

Topo