EMBRIOLOGIA DO SISTEMA GENITAL

(MORAES, I.A.)

IMPORTÂNCIA

É importante o estudo da embriologia para melhor conhecer a fisiologia e  as patologias que podem acometer as gônadas e estruturas genitais tubulares dos animais.

O sistema genital de acordo com a origem embrionária pode ser dividido em 3 partes:

A ÓRGÃOS SEXUAIS PRIMÁRIOS

        Ovários e Testículos =>derivam da crista genital

B SISTEMA GENITAL TUBULAR

Ø Tubas uterinas, útero, cérvix, vagina anterior nas fêmeas (derivados dos ductos paramesonéfricos)

Ø Ductos eferentes, deferentes e seminíferos nos machos ( derivados dos ductos mesonéfricos)

C GENITÁLIA EXTERNA ( derivados do seio urogenital, pregas urogenitais e tubérculo genital)

Ø Vulva, vestíbulo, vagina posterior, glândulas vestibulares maiores ( Bartholin) e clitóris nas fêmeas.

Ø Pênis e bolsa escrotal nos machos.

 DETERMINAÇÃO SEXUAL e DIFERENCIAÇÃO SEXUAL

O sexo genotípico do animal é determinado na fecundação por um espermatozóide X ou Y, entretanto, o sexo gonadal será estabelecido mais tarde.  Assim os embriões, por  um período de mais ou menos 35 dias nos machos e mais menos 45 dias na fêmea apresentam uma estrutura gonadal indiferenciada.

 A diferenciação inicia-se no bovino quando o embrião mede entre 2,5 e 3,0 cm e no suíno entre 2,0 e 2,5 cm.

Um gen organizador testicular (TDF), localizado no braço curto do cromossoma é o responsável pela diferenciação gonadal.  No momento em que as células primordiais indiferenciadas originárias do saco vitelino próximo à alantoide, migram sobre o mesentério do intestino posterior para a crista genital do embrião, este TDF irá orientar no povoamento das células na formação de uma gônada típica de macho. A ausência do TDF faz com que o"sexo natural" ou feminino se estabeleça.

Segundo Gropp e Ohno (1966) existem cordões corticais na fêmea e cordões medulares nos machos que originam as células intersticiais e estruturas tubulares.

As gônadas indiferenciadas tem córtex e medula.

Se macho => cordões sexuais primários invadem a medula formando as

                      espermatogônias primordiais e a córtex regride

                        Se Fêmea=> cordões sexuais secundários da córtex se desenvolvem e a

                                              medula regride

As células que migram são as células germinativas primordiais, células mesenquimais e células germinativas epiteliais.  Estas darão origem a novos tipos celulares no macho ou na fêmea.

Nos machos

Nas fêmeas

Células germinativas primordiais

Espermatogônia

ovogônia

células mesenquimais

Leydig

Teca e estroma

células germinativas epiteliais

Túbulo seminífero e Sertoli

Folículos I

GÔNADA FETAL EQÜINA

Os ovários e testículos sofrem considerável aumento entre o 3° e 9° mês de gestação devido a hiperplasia e hipertrofia das células intersticiais.  O crescimento inicia-se entre o 80° e 100° dia e atinge o máximo aos 250 dias de gestação, quando são maiores que o da própria mãe.

Ao redor dos 300 dias as células intersticiais iniciam um processo de degeneração e regridem de tamanho.

O mecanismo de estimulação das células intersticiais não é bem conhecido

DIFERENCIAÇÃO DAS ESTRUTURAS TUBULARES

ESTRUTURA EMBRIONÁRIA

Hormônio Responsável

Estrutura formada no MACHO

Estrutura formada na FÊMEA

 

 

TÚBULOS MESONÉFRICOS

Testosterona

Ducto eferente

----

DUCTOS MESONÉFRICOS

 

 

Testosterona

Epidídimo

Ducto deferente

Glândula vesicular

----

----

----

Tuba uterina

DUCTOS PARAMESONÉFRICOS

 

----

Utero

----

Vagina cranial

SEIO UROGENITAL

DHT

Uretra pélvica, Próstata e bulbouretral

Vagina caudal

TUBERCULO GENITAL

DHT

Pênis

Clitóris

PREGA UROGENITAL

Bolsa escrotal

Lábios vulvares

A testosterona do testículo embrionário promove a maturação do ducto mesonéfrico (ducto de Wolff) e o hormônio AMH, (hormônio Anti-Mulleriano - glicoproteina originária da célula de Sertoli) promove a involução do ducto paramesonéfrico (Ducto de Muller)

Na ausência de AMH e da testosterona os ductos de Wolff regridem espontaneamente e os ductos de Muller continuam a desenvolver e diferenciar.

A testosterona também programa o hipotálamo/adenohipófise para secretar gonadotrofina de forma tônica ( Não cíclica).

A DHT (dihidrotestosterona), metabólito potente da testosterona, é o estímulo para a masculinização da genitália externa.

O último evento a se completar é a descida do testículo para a bolsa escrotal.  A descida é guiada e causada pela contração de um cordão fibromuscular, o gubernaculum testis , conectando o testículo à parede escrotal. O testículo inicialmente caudal ao rim, migra através do abdome, passa através do canal inguinal e move-se subcutaneamente ( no cão lateralmente ao pênis) até o escroto.

DESCENÇO TESTICULAR

O testículo inicialmente é intra-abdominal e o seu polo caudal está conectado ao gubernáculo (espessamento mesenquimal) que conecta-se a uma expansão existente entre os músculos oblíquos interno  e externo onde se abrirá o futuro canal inguinal e atinge a bolsa escrotal.  Em seguida o gubernáculo degenera e o testículo ganha mobilidade na bolsa.

De acordo com WENSING (1978) a passagem do testículo através do canal inguinal ocorre em cães de 8 a 10 dias antes do nascimento.  De acordo com GIER e MARION (1969), desce entre 100 e 110 dias nos suínos e nos bovinos e eqüinos desce no ultimo mês de gestação.