Categoria
Live: Etnomatemática e Escola: um casamento possível?#ProexEmAção divulga a live do programa de extensão Dá Licença no dia 19/06 das 16h às 18h com tema: Etnomatemática e Escola: um casamento possível? pelo canal do Youtube. Os professores Daniel Clark (UFOP), Milton Rosa (UFOP) e Carlos Mathias (UFF) conversarão sobre Etnomatemática e Escola. Para acompanhar a nossa programação, sigam as redes sociais oficiais do Dá Licença e se inscrevam no canal do Youtube (link nos comentários). #programadalicenca #eventosdalicenca
Oficina "Números, cores, sons e operações: uma proposta multissensorial para cálculos". #ProexEmAção divulga em parceria com o programa de extensão Dá Licença o evento virtual Oficina "Números, cores, sons e operações: uma proposta multissensorial para cálculos". No dia 03/06 das 15h às 17h. teremos mais um evento sobre educação inclusiva com as professoras Gisela Maria da Fonseca Pinto (UFFRJ) e Daniela Mendes Vieira da Silva (SEEDUC-RJ) A oficina será realizada em tempo real pelo Google Meet e emitiremos certificados para todos os participantes! O link de acesso ao Google Meet será enviado por e-mail no dia do evento, alguns minutinhos antes de começar. Por isso, no ato da inscrição é muito importante conferir se o endereço de e-mail está digitado corretamente. Resumo do evento: A inclusão de alunos com deficiências nas salas de aula regulares tem sido pauta de discussões em diversos espaços que visam à reflexão sobre a educação. Muitas atenções ainda estão voltadas para as deficiências, as limitações e as incapacidades, porém na prática, ainda estamos distantes de realidades que valorizem as diferenças como um fator enriquecedor no processo educacional. Acreditamos que todos são capazes de aprender, mas não necessariamente da mesma forma. O objetivo deste minicurso é criar possibilidades à ação pedagógica no intuito de promover contextos mais inclusivos e sugerir ferramentas sensoriais que incentivem a reflexão e o acesso a conhecimentos matemáticos para alunos com ou sem deficiências. Nesse sentido, buscamos caminhos para oferecer uma matemática escolar que respeite as particularidades dos aprendizes, proporcionando a eles experiências variadas, através dos diferentes sentidos, ou seja experiências multimodais. Neste trabalho, apresentamos algumas atividades que exploram conteúdos matemáticos a partir da inserção de cores e sons. Mais especificamente, buscamos a compreensão de razão e proporção por meio da combinação de imagens e ritmos, e o entendimento de representações de números racionais e irracionais, através de músicas e cores. As atividades propostas fundamentam-se nas ações do grupo CapTeam e Rumo à Educação Matemática Inclusiva. Inscrição: http://www.extensao.uff.br/inscricao/?fbclid=IwAR26-LG4jODfmoGtZgOMMlV99tNgqrrpTHoE7pESiRmbAOGI6AtGpmFbLDI
Homenagem ao Dia da Matemática#ProexEmAção divulga que em comemoração à data e em homenagem a todos que amam a Matemática o projeto de Eventos do Programa de Extensão Dá Licença convidou o professor Pimenta (Augusto Cesar Pimental), pesquisador em Educação Matemática e especialista sobre a obra de Malba Tahan, para responder a pergunta “Por que o dia Nacional da Matemática é comemorado dia 06 de maio?” Você conhece a história de Julio Cesar de Mello e Souza? Por causa de sua enorme importância, o dia 6 de maio, data do seu nascimento, é hoje o Dia Nacional da Matemática. Você é nosso convidado para conhecer um pouco da história deste autor que encanta e fascina milhares de pessoas pelo mundo através de sua obra. #ProexEmAção #EventosDáLicença #ProgramaDáLicença
Departamento de Matemática de Volta Redonda convida para V Simpósio de Matemática da Região Sul FluminenseO V SIMMA será realizado nos dias 6, 7 e 8 de maio de 2019, no Instituto de Ciências Exatas da UFF em Volta Redonda. O evento é gratuito e aberto a alunos e professores de matemática e áreas afins, e tem como principal objetivo o intercâmbio entre pesquisadores e estudantes.   Em sua programação são oferecidas palestras e minicursos com temas relacionados às diversas áreas da Matemática, além de apresentação de trabalhos de iniciação científica dos alunos de graduação. Participe! Entre no site do evento http://simma.sites.uff.br/ para ver a programação, se inscrever e submeter trabalho. 
Departamento de Matemática de Volta Redonda convida para V Simpósio de Matemática da Região Sul FluminenseO quinto simpósio de Matemática da Região Sul Fluminense (V SIMMA) será realizado nos dias 6, 7 e 8 de maio de 2019, no Instituto de Ciências Exatas da UFF em Volta Redonda. O evento é aberto a alunos e professores de matemática e áreas afins, e tem como principal objetivo o intercâmbio entre pesquisadores e estudantes. Em sua programação são oferecidas palestras e minicursos com temas relacionados às diversas áreas da Matemática, além de apresentação de trabalhos de iniciação científica dos alunos de graduação. Neste ano teremos minicurso específicos para professores da educação básica. Participe! Entre no site http://simma.sites.uff.br/ para ver a programação completa, fazer sua inscrição e submeter trabalho.  
Celebrando as Mulheres na Matemática. Celebrando as Mulheres no IME UFF.Objetivo Geral: Reunir a comunidade matemática, em diferentes lugares do mundo, para celebrar as mulheres na Matemática. O dia da Mulher na Matemática é dia 12 de maio, data de nascimento de Maryam Mirzakhani, e foi instituído no dia 31 de julho de 2018, na cidade do Rio de Janeiro, no encontro World Meeting for Women in Mathematics - (WM)2. O Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal Fluminense (IME UFF) vai participar da iniciativa May 12- Celebrating Women in Mathematics (https://may12.womeninmaths.org/) com a realização do evento Celebrando as Mulheres na Matemática.Celebrando as Mulheres no IME UFF. . Programação: 9:00 – 9:30: Credenciamento. 9:30 -10:00: Abertura. 1) Dr. Celso Costa (Diretor do Instituto de Matemática e Estatística da UFF); 2) Dra. Cecília de Souza Fernandez (Coordenadora do Mulheres na Matemática); 3) Dra. Ana Maria Luz Fassarella do Amaral (Vice coordenadora do Mulheres na Matemática). 10:00 – 10:40: Palestra de Abertura: Minha escolha pela Matemática. Dra. Paula Murgel (GAN). 10:40 – 11:20: Roda de conversa com professoras do IME UFF: Dra. Andrea Gomes (GGM), Dra. Cecília de Souza Fernandez (GAN) e Dra. Maria João Resende (GMA). Mediadora: Dra. Ana Maria Fassarella do Amaral (GAN). 11:20 – 11:50: Filme “Quem são As Mulheres no IME-UFF?”. (Realizado por Ana Sanz, Camille Miranda e Tassiana Catein). 11:50-12:20: Homenagem à Dra. Suely Druck (Professora Aposentada-GMA). 12:20 – 12:30: Encerramento .   Inscrições gratuitas : De 11 de abril até 11 de maio. Para se inscrever, enviar e-mail para: mulheresnamatematica.uff@gmail.com Informar nome completo e instituição. No caso de aluna ou aluno, informar também curso e período.  
Lançamento do livro "A vida misteriosa dos matemáticos"Lançamento do livro “A vida misteriosa dos matemáticos”, do professor Celso Costa, do Instituto de Matemática e Estatística, no Reserva Cultural, ao lado do Bistrô Reserva, na quinta-feira, 13 de dezembro, das 18h às 21h. O livro traz uma narrativa ficcional leve e divertida sobre a história de grandes gênios e gênias da Matemática que viveram em épocas distintas e se encontram no Aleph, um espaço mágico, onde bebem e discutem em tom prosaico sobre temas da filosofia e do cotidiano, além da própria Matemática. Alguns dos personagens da trama são Pitágoras, Newton, Gauss, Turing, Sophie Germain e Georg Cantor.
Ciência das ciências: Agenda Acadêmica 2017 desmistifica a MatemáticaA UFF promoverá entre 23 a 29 de outubro a 14ª Agenda Acadêmica, edição de 2017. Com o tema “A matemática está em tudo”, o evento vai mobilizar alunos, professores e servidores técnicos administrativos dos campi de Niterói, Angra dos Reis, Campos dos Goytacazes, Macaé, Nova Friburgo, Rio das Ostras, Santo Antônio de Pádua, Volta Redonda e Petrópolis. A iniciativa está inserida na programação da 14ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que acontece nesse mesmo período e com a mesma temática em todo o Brasil. A abertura oficial do evento será realizada pelo vice-reitor, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, no Instituto de Matemática e Estatística (IME), na próxima segunda-feira, dia 23, às 9h. Na ocasião, será proferida a palestra “A Matemática está em tudo. Em particular, na alma feminina” com a matemática e docente da UFF, Cecília  de Souza Fernandes. A iniciativa tem o objetivo divulgar o trabalho acadêmico-científico de mulheres do estado do Rio de Janeiro, buscando assim estimular meninas a seguirem a carreira dessa ciência exata. “Nas últimas décadas, as mulheres realizaram muitas conquistas, tanto no campo pessoal quanto no campo profissional. Do direito ao voto e a se candidatar a um cargo público à existência de leis que garantem proteção contra a violência doméstica, muitos foram os avanços. Entretanto, ainda há muito o que alcançar no que diz respeito a produção do saber, em especial, na área de Matemática”, destacou Cecília. O encerramento acontecerá no dia 27, sexta-feira, às 15h, no auditório do Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Águas (NAB), na Praia Vermelha, com a palestra "As tessituras matemágicas", ministrada pelo matemático e pró-reitor de Gestão de Pessoas, Paulo Trales. De acordo com ele, a palestra faz parte de um projeto de extensão, criado há cerca de 20 anos no IME, intitulado "A Universidade vai à Escola". A iniciativa tem como objetivo estimular nos jovens o gosto pela disciplina e, consequentemente, no futuro, aumentar a procura pelo curso de graduação da UFF. “No projeto de extensão, focamos especificamente em questões lúdicas e aparentemente triviais, as "matemágicas", com a utilização de alguns dos recursos que só a matemática pode nos oferecer”, explicou Trales. A expectativa é que o evento reúna mais de três mil membros da comunidade universitária, representando superintendências, pró-reitorias e unidades acadêmicas da UFF, e que cerca de 10 mil pessoas visitem os campi. O objetivo é apresentar à sociedade os programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidos na universidade. A programação inclui palestras, oficinas, cursos, workshops, exposições, encontros, feiras, mostras, debates, fóruns, painéis, seminários, além de visitas guiadas e técnicas. A Pró-Reitoria de Extensão, por sua vez, no mesmo período, promoverá a 22ª Semana de Extensão (Semext), que faz parte da programação da Agenda e tem por objetivo promover a extensão e a integração entre alunos, professores e comunidade acadêmica, por meio da divulgação das ações desenvolvidas na instituição. Para o vice-reitor, a agenda acadêmica é um momento muito importante para a universidade. "É uma oportunidade de a própria comunidade interna se conhecer e se identificar na diversidade, elevando a autoestima institucional com diversas atividades desenvolvidas pelos diferentes setores da UFF em um clima de cooperação e sinergia. Além disso, também abrimos as portas da universidade ao público externo como um todo. Essa abertura funciona como uma prestação de contas aos que financiam a universidade pública com seus impostos e também tem o objetivo de trazer a comunidade para dentro da causa da universidade, através da apropriação da nossa missão de produzir conhecimento, formar profissionais-cidadãos e colaborar na busca por uma sociedade mais justa, próspera e solidária", destaca. Programação Dezenas de atividades estão confirmadas na programação da Agenda Acadêmica 2017, com destaque para a Semana de Desenvolvimento Acadêmico e a Oficina de Libras do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão, ambas promovidas pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proaes). A Divisão de Acessibilidade e Inclusão (DAI / Sensibiliza UFF) participa tradicionalmente do evento. Neste ano, o setor vai oferecer no dia 25, quarta-feira, das 13h às 16h, a oficina “Libras uma Língua a Conhecer”, ministrada pela professora Ludmila Franco, do mestrado profissional de Diversidade e Inclusão da UFF, e membro da sessão de tradutores e intérpretes da divisão. A atividade vai acontecer na sala 401 no bloco A. Ainda sobre Libras, no dia 27, sexta-feira, das 15h às 17h, na sala 201 do mesmo prédio, a professora Luciane Rangel, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, palestrará a respeito de "Libras na educação e na sociedade". De acordo com a coordenadora do Sensibiliza UFF Lucília Machado, as atividades sobre a língua brasileira de sinais dentro da Agenda Acadêmica representam um avanço da instituição na área de acessibilidade comunicacional. “Além da Seção de Tradutores e Intérpretes de Libras - que integra a DAI - também contamos com um corpo de professores de Libras, lotados no Instituto de Letras, inclusive com a participação de docentes surdos formados pela própria universidade”, ressaltou. “A língua brasileira de sinais é considerada a nossa segunda língua e desde 2002 é reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a ela associados, através da Lei Nº 10.436, de 24 de Abril de 2002. Em seu artigo 3º, a legislação estabelece que as instituições públicas e o Sistema Educacional Federal, bem como os sistemas estaduais e municipais, além do Distrito Federal, tem a obrigação de garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação Especial o ensino da língua brasileira de sinais, em outras palavras, as universidades são obrigadas a oferecer a disciplina de libras em todas as licenciaturas”, destacou a coordenadora. Ainda segundo Lucília, a acessibilidade comunicacional é a inexistência de barreiras na comunicação interpessoal, escrita e virtual. “Você diferencia as pessoas com e sem deficiência pelo acesso que elas fazem à língua brasileira de sinais e também aos códigos como Braille. Isso se chama acessibilidade comunicacional”, enfatizou. Durante o evento, o projeto Conheça a UFF, da Superintendência de Comunicação Social, convida os interessados para conhecer a “cidade dentro da cidade”, como é vista a universidade pela maioria da população. A Superintendência de Relações Internacionais (SRI), por sua vez, organizará uma Roda de Conversa com alunos de mobilidade brasileiros e estrangeiros. E por fim, os participantes da Agenda poderão conhecer as ações da Superintendência de Documentação (SDC). Segundo Renato, esse ano haverá dois dias de atividades do Conheça. No dia 24, uma edição voltada para os cursos das ciências exatas, incluindo visitas a oficinas e laboratórios dos cursos da Engenharia, Física e Computação. Já, no dia 26, o projeto estará no campus do Gragoatá, apresentando a tradicional palestra sobre diversos cursos, além de promover, entre outras atividades, o Walking Tour (caminho pelos campi da UFF) e visita às demais atividades da agenda. Premiação De acordo com a chefe da Divisão de Prática Discente da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) e professora da Faculdade de Educação, Luciana Maria Almeida de Freitas, a XV Mostra de Iniciação à Docência na Educação Básica - Prêmio Sueli Camargo Ferreira (MID) busca divulgar projetos de iniciação à docência desenvolvidos por bolsistas do Programa Licenciaturas.“Os trabalhos apresentados serão avaliados por bancas constituídas por professores da UFF e convidados das redes públicas de educação básica. Os três trabalhos mais bem avaliados e, ainda, eventuais menções honrosas, receberão a certificação do Prêmio Sueli Camargo Ferreira”, informou Luciana. De acordo com a assessora de comunicação e produção, da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Proaes), Renata Feitoza, durante a V Semana de Desenvolvimento Acadêmico (V SDA), será concedido um prêmio aos três melhores trabalhos apresentados em cada área do CNPq - Ciências Agrárias, Biológicas, da Saúde, Exatas e da Terra, bem como Humanas, Sociais e Aplicadas, Engenharias, Linguística, Letras e Artes. Ela informou também que a iniciativa tem como proposta a apresentação e divulgação dos projetos em desenvolvimento cadastrados no Programa Bolsa de Desenvolvimento Acadêmico (BDA)”, explicou. Além disso, segundo o chefe da Divisão de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi), Fábio Aquino, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) concederá o prêmio Vasconcellos Torres para os melhores projetos de iniciação científica nas categorias referentes às áreas do CNPq. Ciência das ciências A escolha da Matemática - a “a ciência das ciências” -  como tema desta edição da Agenda se deu em função do Rio de Janeiro ter sediado em julho um dos maiores eventos do mundo nessa área - a 58ª Olimpíada Internacional de Matemática (Imo 2017) (https://www.imo2017.org.br/home-portugues.html), competição que reuniu os melhores estudantes do planeta. Além disso, em 2018, o Congresso Internacional de Matemáticos reunirá também pela primeira vez no país pesquisadores de alto nível. Juntos, os dois megaeventos formam o Biênio da Matemática 2017-2018 e reforçam a SNCT 2017. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), por meio de sua assessoria de imprensa, informou que a Matemática é usada como ferramenta essencial por várias áreas do conhecimento humano, estando presente na Física, Biologia, Química, Engenharia, Economia, Administração de Negócios, Artes, Agricultura e até na Medicina. Além disso, ela é uma das áreas do conhecimento mais fascinantes e antigas, tendo surgido antes mesmo da escrita e suas aplicações concretas impulsionaram o desenvolvimento da humanidade desde as primeiras civilizações por meio do manejo de plantações e medição de terra, registro do tempo e comércio. Outras informações: (21) 2629-5236, e-mail agendaacademica2017@id.uff.br ou pelo site http://www.agendaacademica.uff.br
Instituto Serrapilheira abre chamada pública para projetos de pesquisaO Instituto Serrapilheira, instituição privada de apoio à ciência, promove sua primeira chamada pública para projetos de pesquisa nas áreas de ciências da computação, ciências da terra, ciências da vida, engenharias, física, matemática e química. O lançamento está marcado para as 13h do dia 19 de julho, durante a 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Belo Horizonte. O evento será realizado no CAD 2 - Sala C 207 – Campus Pampulha, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O edital estará disponível para consulta no site www.serrapilheira.org e as inscrições terão início na primeira quinzena de agosto. Num primeiro momento, serão selecionados 70 projetos com subvenção de até R$ 100 mil. Depois de um ano, de 10 a 20 projetos dentre os 70 iniciais serão contemplados com aportes de até R$ 1 milhão para três anos de pesquisa. Uma parte desse aporte será condicionada ao cumprimento de critérios de diversidade, cuja política será definida pelo instituto ao longo do primeiro ano. Segundo a instituição, o objetivo do edital é incentivar o treinamento de pesquisadores que façam parte de minorias por cientistas de excelência. O principal critério de seleção será a excelência da pesquisa; os critérios de elegibilidade serão idade científica do postulante (poderão se inscrever apenas aqueles que obtiveram o título de doutor a partir de 2007) e vínculo com instituições brasileiras. Um conselho científico formado por 12 cientistas que atuam no Brasil e no exterior avaliará os projetos encaminhados e divulgará os resultados até o final de 2017. Mais informações: www.serrapilheira.org Fonte: http://www.faperj.br/?id=3430.2.2
Laboratório de Geometria da UFF democratiza o ensino da MatemáticaCom a disponibilidade de tecnologias cada vez mais atrativas, fazer com que os alunos se concentrem no que está sendo ensinado é atualmente um dos maiores desafios para os professores em sala de aula. E se a disciplina em questão for a Matemática, complexa para grande parte dos alunos, esse desafio se torna ainda maior. Focado nessa questão, o Laboratório de Ensino de Geometria (LEG) da UFF propõe formas de dinamizar o ensino, através de situações motivadoras, como jogos e recreações. Segundo a coordenadora do laboratório, Ana Kaleff, “o educador matemático educa pela matemática, e não para ela”. A professora fez parte do grupo de docentes do Instituto de Matemática e Estatística (IME) que, em 1988, passou a desenvolver projetos de extensão junto a escolas públicas de Niterói. “Esse foi o primeiro passo para, anos depois, surgir o LEG, cujo objetivo sempre foi o de democratizar o conteúdo para que ele se torne mais acessível, levando em conta que o objetivo da escola não deve ser o de formar simples alunos, mas sim cidadãos”, ressalta. Os projetos realizados pelo laboratório são interdisciplinares e integram graduandos do curso de Matemática e professores que atuam em escolas da rede pública. Um dos programas pioneiros do LEG foi o Rede Regional, em que a equipe atuou em cidades do interior do Rio de Janeiro. Na década de 90, foram realizados diversos cursos de longa duração, em mais de 20 municípios, voltados para a capacitação e distribuição do material produzido pelo laboratório, como pesquisas e livros de geometria. Com a entrada na era digital, a equipe do LEG teve a oportunidade de fazer parte do Condigital, projeto criado pelo Ministério da Educação (MEC) em parceria com o Ministério de Ciência e Tecnologia. Na ocasião, 13 artigos voltados para a educação matemática foram publicados no Portal do Professor, site que tem como objetivo apoiar os processos de formação dos docentes brasileiros por meio de textos e outros conteúdos digitais. Um desses artigos pode ser encontrado aqui. Ainda no âmbito da internet, também está disponível para uso os Conteúdos Digitais para Ensino e Aprendizagem de Matemática e Estatística (CDME). O site, voltado aos alunos, aborda várias áreas da ciência, além de disponibilizar jogos e atividades que podem ser realizados em sala de aula. Por exemplo, após aprender sobre razões trigonométricas, nome dado a algumas das divisões possíveis entre os valores de dois lados de um triângulo retângulo, o estudante tem a oportunidade de testar seu conhecimento através de um jogo em que o internauta precisa calcular os ângulos pedidos. LEGI: o Museu Interativo Itinerante Tudo o que é produzido no LEG é apresentado a alunos de escolas públicas e ao público em geral, por meio de exposições do Museu Interativo Itinerante de Educação Matemática. Em 2006, iniciou-se o projeto Criando o LEGI, vinculado à Pró-Reitoria de Extensão (Proex). O objetivo era melhorar e ampliar as condições para viabilizar os deslocamentos do museu itinerante. Além disso, houve investimento em novas ferramentas, como as que estão disponíveis no meio digital. Na UFF, as exposições acontecem anualmente na Semana da Matemática, evento do IME, cujo objetivo principal é criar um ambiente onde pesquisadores, professores, educadores e a comunidade discente possam interagir. Por meio de palestras e outras mostras, são divulgadas experiências, inovações e novas áreas de atuação na Matemática e em suas diversas manifestações. Por falta de espaço físico, o Museu não fica exposto de forma permanente. É possível encontrar uma pequena mostra na sala do Departamento de Matemática e também em parte do corredor no quinto andar do Bloco H, no campus do Gragoatá. Além disso, uma programação itinerante é realizada anualmente. Além deste compromisso fixo, há também as mostras itinerantes. Nesse caso, as escolas que desejam receber a equipe podem entrar em contato e agendar uma visita. Em 2011, por exemplo, a equipe foi para a cidade de Araras, no estado de São Paulo. A realização da exposição foi possível pela mediação com a Secretaria de Educação do município, como geralmente acontece. O museu também já foi recebido pela Universidade de Brasília (UnB). A edição de 2016 contou com a visita de mais de 2000 pessoas. Diversas escolas marcaram presença, como o Instituto Benjamin Constant e o Colégio Pedro II. Eles puderam interagir com materiais didáticos dinâmicos, como quebra cabeças planos especiais com as formas geométricas sendo bem destacadas. As peças são divididas em “ilhas” de acordo com o conteúdo que representam. No início de 2012, o museu já contava com mais de cem temas matemáticos. “Em uma de suas mostras, os visitantes encontram uma diversidade de artefatos modeladores de situações matemáticas para serem manipulados, os quais são separados por tema ou conteúdo. Como a democratização do conteúdo desenvolvido no laboratório é a prioridade, as peças são produzidas com materiais de baixo custo ou reciclados”, destaca Kaleff. Vendo com as Mãos: educação inclusiva Desde 2008, as atenções do LEG se voltaram à educação inclusiva, com o ensino da Geometria de maneira eficiente e dinâmica para alunos com deficiência visual. O projeto Vendo com as Mãos consiste na adaptação de todas as peças que são comumente expostas no Museu. A inclusão vai além do uso de braile, sistema de leitura inventado por Louis Braille. Texturas variadas e materiais apropriados para o estímulo da percepção tátil são encontrados em todas as peças expostas. Os artefatos já adaptados foram antes testados por alunos do Instituto Benjamin Constant, tradicional instituição de ensino para deficientes visuais do Rio de Janeiro. A partir da aprovação dos recursos didáticos por esses alunos, eles puderam ser aplicados em outras escolas, como no Colégio Pedro II. O público alvo, alunos que possuem algum tipo de deficiência, recebe não só atenção direta da equipe do projeto, mas de seus professores, que também recebem instruções para uma melhor realização das atividades, podendo aplicar em suas próprias salas de aula. Entre os materiais já produzidos pelo laboratório, incluem-se livros didáticos sobre educação inclusiva, totalmente disponíveis na internet. Além disso, no Museu do LEG existe uma biblioteca com volumes infantis impressos em braile e uma das seções é destinada exclusivamente a material didático para o ensino deste alfabeto. Para outras informações sobre o Laboratório de Ensino de Geometria, acesse o link: http://leguff.weebly.com
Programa Dá Licença realiza palestra sobre BNCC - Matemática  A palestra trata do debate em curso sobre Base Nacional Curricular Comum – Matemática, iniciando com a identificação dos agentes políticos públicos e privados que tem atuado no campo da educação matemática e o processo de construção da BNCC – Matemática. O intuito é questionar as formas de regulação baseadas na avaliação, que têm sido criadas na atual conjuntura política e social. Link para inscrição: https://docs.google.com/a/id.uff.br/forms/d/e/1FAIpQLSclF_DNaywxemgG9leAxgy3FWn-cIl0RJrE1EXg7Sd65WCvOA/viewform?c=0&w=1  
Professor analisa a base curricular do ensino matemáticoO apelo para a formalidade e os métodos puramente dedutivos não correspondem mais às necessidades atuais do ensino matemático. Essa carência é tema do livro "Tendências em educação matemática: percursos curriculares brasileiros e paraguaios" (Editora Appris), do professor Marcelo Dias, que será lançado no dia 5 de maio, às 18h, na Livraria Icaraí, em Niterói.  Resultado de uma pesquisa sobre educação da matemática nos documentos oficiais e nos currículos prescritos no Brasil e no Paraguai, o livro discute a organização curricular e as competências matemáticas do ensino. Para o autor, é necessário refletir sobre as novas diretrizes para a formação inicial e continuada de professores para o magistério na educação básica, bem como sobre a necessidade de uma base nacional comum entre os currículos.   "Tendências em Educação Matemática: percursos curriculares brasileiros e paraguaios" Autor: Marcelo Dias ISBN: 978-85-473-0044-9 Editora Appris Preço promocional de lançamento: R$ 60,00 Como comprar: Na Livraria Icaraí, Reitoria, Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, ou consulte-nos pelo e-mail livrariavirtual@eduff.uff.br.
Marcelo Dias lança livro sobre base curricular do ensino matemáticoO apelo para a formalidade e os métodos puramente dedutivos não correspondem mais às necessidades atuais do ensino matemático. Essa carência é tema do livro "Tendências em educação matemática: percursos curriculares brasileiros e paraguaios" (Editora Appris), do professor Marcelo Dias, que será lançado no dia 5 de maio, às 18h, na Livraria Icaraí, em Niterói.  Resultado de uma pesquisa sobre educação da matemática nos documentos oficiais e nos currículos prescritos no Brasil e no Paraguai, o livro discute a organização curricular e as competências matemáticas do ensino. Para o autor, é necessário refletir sobre as novas diretrizes para a formação inicial e continuada de professores para o magistério na educação básica, bem como sobre a necessidade de uma base nacional comum entre os currículos.   "Tendências em Educação Matemática: percursos curriculares brasileiros e paraguaios" Autor: Marcelo Dias ISBN: 978-85-473-0044-9 Editora Appris Preço promocional de lançamento: R$ 60,00