Ensino da UFF sobe 100 posições em ranking universitário internacionalResultado leva em consideração dados de 2017 avaliados pela Times Higher Education, pesquisa que considera um seleto grupo de instituições de ensino superior de ponta no mundo A Universidade Federal Fluminense obteve melhora significativa nos fatores de maior peso no ranking universitário internacional elaborado pela Times Higher Education. Dados da pesquisa recém-publicada mostram avanço nos quesitos Ensino, Pesquisa, Citações e Retorno à Indústria. O resultado contempla índices analisados sobre o ano de 2017 e reforçam a tendência de melhora acadêmica, a despeito do cenário de restrições orçamentárias. Destaque para a avaliação da qualidade de ensino da UFF, que subiu 100 posições no ranking global. O Times Higher Education é um ranking universitário internacional que avalia um seleto grupo de 1.396 instituições, entre cerca de 17 mil, que cumprem os seguintes critérios: oferecer cursos de graduação, ter publicado ao menos mil artigos relevantes entre 2014 e 2018 e ao menos 150 em cada um desses anos, e não concentrar mais de 80% da pesquisa em uma única área. De acordo com o reitor da UFF, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, a pesquisa chega num momento importante e ressalta a qualidade do ensino superior público brasileiro. Vem aumentando o número de universidades brasileiras presentes no ranking, que passou de 32 em 2018 para 36 em 2019, e para 46 na edição 2020. “Tal ampliação do espaço das instituições brasileiras ocorre apesar das dificuldades orçamentárias. É um resultado a ser celebrado pelo sistema de educação superior brasileiro, que tem conseguido honrar sua responsabilidade social, mesmo em meio a incertezas e dificuldades”, afirma. A comparação com resultados das universidades latino-americanas mostra que das 101 ranqueadas, 46 são brasileiras. O Brasil é o país com mais instituições indexadas, seguido pelo Chile, com 18. A Argentina possui somente 4 universidades no ranking. Quanto aos resultados da UFF, deve-se destacar primeiro a subida de mais de 100 posições no quesito Ensino entre o THE 2019 (com dados de 2016) e THE 2020 (com dados de 2017). Vale lembrar que neste período a Universidade já enfrentava dificuldades orçamentárias, e, ainda assim, subiu na comparação internacional. “Isso se deve a uma combinação de melhoria na reputação da universidade, maior eficácia e também maior eficiência no uso de recursos – tendo sido capaz de formar mais recursos humanos de nível superior com menos recursos”, explica o reitor. Nos três fatores de maior peso no ranking (Ensino, Pesquisa e Citações), a UFF apresenta resultados melhores na pesquisa recém-divulgada do que nas duas edições anteriores do mesmo ranking. Na análise das métricas, a Educação passou de 16,7 para 20; Pesquisa de 9,6 para 11,3; Citações de 11 para 14,8 e Retorno para a Indústria de 34,3 para 35,2.