CICLO DE COLÓQUIOS IF - UFF 2020 Lembramos que o Ciclo de Colóquios do IF-UFF 2020 se inicia amanhã, dia 05 de Maio, às 11h, através da plataforma Google Meet, com o colóquio ministrado pelo Prof. Nuno Crokidakis (IF-UFF). Link para participação: o colóquio será transmitido por videoconferência através do link https://meet.google.com/kft-saic-sck Atenção: Aproveitamos a oportunidade para sugerir algumas "regras de boa conduta'' na plataforma virtual, de forma que a apresentação e a interação de todos se dê da melhor forma possível. 1- O acesso à videoconferência deve ser realizado preferencialmente através da conta Google de domínio iduff. Acessos realizados através de outras contas são permitidos, mas devem ser autorizados pelo moderador. Caso você não tenha uma conta iduff, acesse o link normalmente e aguarde a autorização do moderador. 2- Desative seu microfone e sua câmera logo após entrar na sala de transmissão da videoconferência. Isso pode ser feito clicando nos respectivos ícones na parte inferior da tela. Apenas ative tais acessórios quando requisitado pelo moderador. 3- Caso queira fazer alguma pergunta ou comentário durante a apresentação, por favor faça-os através do chat. Os moderadores da sala irão encaminhar sua questão ao final da palestra. O ícone do chat se encontra na parte superior direita da tela. 4- Pedimos também que não iniciem conversas paralelas através do chat. Deixemos as discussões para o fim da apresentação. 5- Durante a sessão de perguntas ao final, é natural surgirem novas perguntas e intenções de expressar comentários. Para isso, peça a palavra pelo chat e aguarde o chamado do moderador. 6- O colóquio será gravado e disponibilizado no site de nosso Instituto. Caso você não concorde com a gravação, pedimos que acesse o colóquio através do link de transmissão ao VIVO. Esse tipo de acesso, entretanto, não permite comentários no chat e pode ser realizado apenas através da conta de domínio iduff. Contamos com sua presença! Atenciosamente, Comissão de organização
UFF leva pesquisa sobre supercondutores para congresso na China A supercondutividade é o futuro, cada vez mais próximo, da transmissão de energia. As pesquisas sobre essa propriedade física de certos materiais estão avançando. Ela caracteriza certos metais que, ao serem levados a temperaturas extremamente baixas, tendem a conduzir eletricidade sem resistência ou perdas. O professor do curso de Mecânica Estatística da pós-graduação do Instituto de Física da UFF, Evandro Vidor Lins de Mello, despertou o seu interesse pelo assunto quando ainda estava fazendo doutorado na Universidade de Washington, em Seattle. A UFF, assim como outras instituições brasileiras e do mundo, está debruçada sobre o assunto. Além do professor Evandro, no Instituto de Física, há um grupo de estudantes do curso de Engenharia Elétrica que também está mergulhado no tema. Sob o comandado do professor Guilherme Sotelo, a pesquisa de fios supercondutores e outras aplicações vem avançando nos últimos anos. Entidades de fomento, como a Federação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), estão patrocinando o trabalho, além do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que também está financiando a pesquisa. A força da nova geração Três alunos do Instituto de Física estão participando do trabalho. Segundo o professor Evandro Mello, o mestrando Matheus Peixoto, o graduando e bolsista da iniciação científica Henrique Souto Maior Resende, e o mestre e doutor David Mockli, que está atualmente fazendo um pós-doutorado na Universidade de Hebrew, em Jerusalém, vêm contribuindo para a pesquisa, principalmente com estudos que buscam viabilizar, num futuro próximo, a criação e produção em larga escala de supercondutores que possam funcionar em temperatura ambiente. “Essa é a nossa meta, um sonho a ser alcançado”, enfatizou o professo Para David Möckli, foi um privilégio fazer o mestrado e doutorado em Física, na UFF, sob orientação do professor Evandro Mello, onde aprendeu definitivamente a fazer pesquisa. David relembra que, durante o doutorado, teve a oportunidade de desenvolver colaborações internacionais na Suíça, e mais recentemente, em Israel, onde continua pesquisando. A supercondutividade, segundo ele, é um dos grandes temas e desafios da Física, pois oferece o potencial de aplicações em redes elétricas, levitação magnética, ciência de materiais e computadores quânticos. Atualmente, no pós-doutorado em Israel, David busca entender a supercondutividade em materiais que contém metais de transição como o nióbio, tântalo e tungstênio. “O Brasil possui uma abundância destes metais em comparação ao resto do mundo, e tem a capacidade de desempenhar um papel dominante num futuro otimista. O grupo de pesquisa do professor Evandro Mello na UFF tem contribuído para o entendimento da supercondutividade no Brasil. É um prazer ser parte disso”, ressaltou David. Na entrevista a seguir, o professor Evandro Mello fala de sua viagem à China e dos desdobramentos da pesquisa: Qual a importância de sua pesquisa para a UFF e para a sociedade? Podemos dividir a resposta em dois graus de importância. O primeiro é o conhecimento acadêmico que serve para desenvolver métodos de pesquisa através de teses, dissertações e trabalhos publicados e apresentados em congressos. O segundo é a utilização desse conhecimento para variadas aplicações. Muitos estudos começam por pura curiosidade e acabam tendo grandes aplicações. Assim é com todas as grandes descobertas: vacinas, transistores, rádio, Raios-X, etc. Por que a China foi o local escolhido para apresentar a pesquisa? Normalmente, em ciência, existe uma comunidade global trabalhando sobre um determinado tema. Podemos dizer que a supercondutividade é um tópico bem estudado e que deve ter, entre pesquisadores e estudantes graduados, cerca de sete mil pessoas trabalhando no assunto em todo mundo. Em geral, organizam-se eventos importantes a cada três anos. Nesse caso específico, uma grande conferência geral que roda o mundo todo, onde palestras menores sobre temas específicos são feitas. A última foi na Suíça em 2015. Este ano aconteceu em Pequim e, segundo os organizadores, foi a maior e mais ampla conferência na área, batizada de "Conferência Internacional sobre Materiais e Mecanismos da Supercondutividade".  E a próxima será em Vancouver, no Canadá, em 2021. Quais serão os desdobramentos do seu trabalho para dia a dia do brasileiro de forma geral? Estamos trabalhando na teoria de um material que ainda tem muitas propriedades que não entendemos muito bem. Ou seja, estamos na fase 1 da pesquisa. Uma vez dominado esse conhecimento, entraremos na fase 2 e poderemos ter uma aplicação. No caso dos supercondutores, a utilização de um material com essa propriedade e próximo da temperatura ambiente facilitará ainda mais sua aplicação. Quais as principais aplicações dos supercondutores? Eles podem transportar mais corrente elétrica que os fios normais e sem nenhuma perda de energia. Motores com supercondutores são mais leves e mais eficientes. Se conseguirmos obter fios supercondutores à temperatura ambiente, teremos uma economia de energia de quase 50%. Isto significa que não precisaremos abrir novas hidrelétricas ou queimar combustível em termelétricas por, pelo menos, mais 50 anos. Isso fez com que a Revista TIME estampasse em sua capa, em 1986, a possibilidade dessa revolução tecnológica quando os supercondutores a base de cobre foram descobertos nos anos 1980.
Instituto Serrapilheira abre chamada pública para projetos de pesquisaO Instituto Serrapilheira, instituição privada de apoio à ciência, promove sua primeira chamada pública para projetos de pesquisa nas áreas de ciências da computação, ciências da terra, ciências da vida, engenharias, física, matemática e química. O lançamento está marcado para as 13h do dia 19 de julho, durante a 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Belo Horizonte. O evento será realizado no CAD 2 - Sala C 207 – Campus Pampulha, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O edital estará disponível para consulta no site www.serrapilheira.org e as inscrições terão início na primeira quinzena de agosto. Num primeiro momento, serão selecionados 70 projetos com subvenção de até R$ 100 mil. Depois de um ano, de 10 a 20 projetos dentre os 70 iniciais serão contemplados com aportes de até R$ 1 milhão para três anos de pesquisa. Uma parte desse aporte será condicionada ao cumprimento de critérios de diversidade, cuja política será definida pelo instituto ao longo do primeiro ano. Segundo a instituição, o objetivo do edital é incentivar o treinamento de pesquisadores que façam parte de minorias por cientistas de excelência. O principal critério de seleção será a excelência da pesquisa; os critérios de elegibilidade serão idade científica do postulante (poderão se inscrever apenas aqueles que obtiveram o título de doutor a partir de 2007) e vínculo com instituições brasileiras. Um conselho científico formado por 12 cientistas que atuam no Brasil e no exterior avaliará os projetos encaminhados e divulgará os resultados até o final de 2017. Mais informações: www.serrapilheira.org Fonte: http://www.faperj.br/?id=3430.2.2
UFF inaugura laboratório pioneiro da América do Sul na técnica de datação com carbono 14Na próxima sexta-feira, 13 de maio, a partir das 14h, será  inaugurado, oficialmente, o Laboratório de Espectrometria de Massa com Aceleradores (em inglês AMS) da UFF,  no Instituto de Física da UFF – Avenida Gal. Milton Tavares de Souza, s/nº - Campus da Praia Vermelha, em Niterói.  A técnica, que utiliza o carbono 14, é a mais moderna e eficiente para datações entre centenas e dezenas de milhares de anos e no rastreamento de materiais. Confira a programação em eventos