antropologia

“Tak Baht” (Eduff, 2018) é uma imersão etnográfica na tradição budista em Laos, mais especificamente na cidade de Luang Prabang. Na obra, o antropólogo Pedro Fandiño analisa a cerimônia, conhecida como tak baht, de recolhimento de doação realizada por monges budistas da corrente teravada, a mais antiga da religião. É um dos primeiros estudos que se decicaram a entender o costume e seus efeitos no país.

“Tak Baht” (Eduff, 2018) é uma imersão etnográfica na tradição budista em Laos, mais especificamente na cidade de Luang Prabang. Na obra, o antropólogo Pedro Fandiño analisa a cerimônia, conhecida como tak baht, de recolhimento de doação realizada por monges budistas da corrente teravada, a mais antiga da religião. É um dos primeiros estudos que se decicaram a entender o costume e seus efeitos no país.

O PPGA/UFF realiza,  no próximo dia 23 de novembro de 2018,  a 5ª edição do “Conversas Antropofágicas” com o tema: Rodas Culturais no Rio de Janeiro: uma batalha chamada resistência.

A mesa será composta por Rico Neurótico (MC e produtor cultural da Roda de Olaria), Felipe Gaspary (produtor cultural da Roda do Tanque), Priscila Telles (Mestre em Antropologia – PPGA/UFF) e Marcos Veríssimo (Doutor em Antropologia – PPGA/UFF).

O evento acontecerá no dia 23 de novembro de 2018, às 18:30h, na sala 231, Bloco P, ICHF, Gragoatá, UFF

O PPGS, o Nectar (Núcleo de Estudo Cidadania, Trabalho e Arte) e o Negra (Núcleo de Estudos Guerreiro Ramos) convidam para a projeção do filme e lançamento do livro: "Partir, Permanecer, Regressar: estudantes cabo-verdianos entre Brasil e Portugal."

Haverá um debate com a cineasta e antropóloga Daniele Ellery Mourão da Universidade Internacional da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB.

 

O Brasil pode ser o país do futebol, mas aqui também há espaço para outros esportes e para as diversas maneiras de vivenciá-los. É possível ser um torcedor, um atleta, um treinador, um preparador físico. E – o que muitas pessoas não sabem – um pesquisador. Através da antropologia dos esportes, por exemplo, pode-se investigar diversas dimensões desse universo para entender como nos construímos enquanto sociedade.

São Gonçalo, a segunda maior cidade do estado do Rio, é frequentemente associada ao trânsito caótico e desorganizado. Entretanto, por de trás disso, existem facetas que podem passar despercebidas na rotina do tráfego. Uma delas é a atuação da Guarda Civil na cidade, que tem como um de seus propósitos a administração de conflitos, como demonstra a antropóloga Talitha Rocha em “Quem dirige em São Gonçalo, dirige em qualquer lugar”, novo livro da Eduff.

São Gonçalo, a segunda maior cidade do estado do Rio, é frequentemente associada ao trânsito caótico e desorganizado. Entretanto, por de trás disso, existem facetas que podem passar despercebidas na rotina do tráfego. Uma delas é a atuação da Guarda Civil na cidade, que tem como um de seus propósitos a administração de conflitos. É sobre isso que reflete a antropóloga Talitha Rocha em “Quem dirige em São Gonçalo dirige em qualquer lugar”, novo livro da Eduff.

Segundo o IBGE de 2017, o Brasil tem cerca de 11,8 milhões de analfabetos. Esse número equivale a 7,2% da população, sendo a região do Nordeste a mais afetada pela questão. Em “Analfabeto: problema social e desonra pessoal” (Eduff, 2018), a antropóloga Tatiana Cipiniuk resignifica o conceito de analfabetismo e o destaca como um “problema social”.

A autora Karla Estelita Godoy, professora Adjunta do Departamento de Turismo da Universidade Federal Fluminense, reflete sobre as diversas formas de se “estar presente” no mundo contemporâneo em “Formação humana no ciberespaço: os sentidos da presença na educação a distância”, novo livro da Eduff. O estudo parte da análise da educação a distância (EAD) na configuração de um “novo paradigma educacional” e abrange a relação entre formação humana e produção da presença.

Baseado no estudo etnográfico minucioso que realizou em saunas de prostituição masculina na cidade do Rio de Janeiro, o antropólogo Victor Barreto lança o livro “Vamos fazer uma sacanagem gostosa?”, no dia 6 de outubro, na Livraria da Travessa de Botafogo.

No livro, o autor relata não apenas os meandros do mundo dos negócios da prostituição no Rio de Janeiro, mas traz para o leitor uma percepção da forma como as sexualidades e os desejos estão articulados nas saunas cariocas.

Páginas

Subscrever antropologia