Eu sou: Técnico | Docente | Estudante

Roberto de Souza Salles

Sou grato, sou UFF.

Ex-reitor da UFF

A universidade agora pertence ao mundo

O professor Roberto de Souza Salles tem uma grande trajetória dentro da Universidade Federal Fluminense. Começou em 1977, quando foi aluno no curso de medicina veterinária e dura até hoje. Seu currículo como “uffiano” possui diversos cargos, sendo o mais importante deles seus dois mandatos como gestor da universidade.

Reitor entre os anos de 2006 e 2014, ele acredita que a UFF está tão intrínseca em Niterói que ela até se confunde com a cidade. “Se você for comparar a importância, o tamanho da UFF para a cidade de Niterói, ela ocupa um espaço muito grande nessa cidade que hoje é, sobretudo, conhecida como a cidade da ciência e tecnologia por ter uma grande universidade federal”, afirmou.

De origem humilde, o professor se diz grato por sua passagem na universidade. Ele conta que ter sido bolsista de trabalho na biblioteca do Biomédico, no campus do Valonguinho, foi um grande aprendizado. “Eu pude ter livros que eu não poderia comprar, desta forma podendo aprender coisas novas. O trabalho também me permitiu despertar para a questão administrativa”, disse.

Em sua gestão, aproveitando o programa de reestruturação e expansão da universidade do governo em que foi reitor, novas obras foram iniciadas, permitindo uma expansão do campus. Os campi do interior do estado também foram beneficiados com novos prédios e abertura de novas vagas. Também foi adquirido o Cine Icaraí e houve reformas no Centro de Artes da UFF, que atualmente é um importante núcleo de entretenimento para a cidade.

Salles acredita que a universidade passou por uma grande evolução desde sua criação até os dias atuais. “A UFF de ontem era uma UFF tímida, era uma UFF que as pessoas falavam que era a Universidade Federal de Niterói. A UFF de hoje é uma UFF que não é mais só a universidade de Niterói, ela é do estado, do país e do mundo”, disse o ex-reitor. “Hoje posso dizer que a nossa universidade está inserida num patamar nacional e internacional como uma das melhores”.

“O que foi plantado nos últimos 55 anos de construção da Universidade Federal Fluminense será colhido no futuro. Será colhido o quê? A formação do bom cidadão, crítico principalmente, e que aplicará seus conhecimentos técnicos em benefício da sociedade. A universidade agora pertence ao mundo, e a cada dia terá seu nome associado às grandes conquistas da sociedade, com certeza”, concluiu.