Estudo da UFF alerta para a importância do isolamento social durante a gestação

Silhueta de uma mulher grávida, de perfil, de frente para uma janela. Foto em preto e branco.

A cada dia que passa, o isolamento social em função da pandemia parece ter menos adeptos no país. As calçadas cada vez mais cheias de gente, nas capitais e interiores dos Estados, sinalizam para a transformação da quarentena em um “novo normal”, situação em que as pessoas circulam com relativa liberdade pelas cidades mas tomando, pelo menos teoricamente, alguns cuidados preventivos.

Projeto da UFF promove ações de regularização fundiária em comunidades do RJ

Durante o isolamento social imposto pela pandemia, é importante que as pessoas possam ficar em casa com segurança e tranquilidade. Entretanto, em algumas localidades, como em favelas e periferias, é comum haver inúmeros casos de moradias irregulares e não legalizadas por seus ocupantes, o que torna mais difícil manter o resguardo e a segurança dessas famílias.

Pesquisa da UFF reconta a história da pandemia a partir de relato dos idosos

Segundo o mais recente relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil é hoje o segundo país no ranking mundial com o maior número de novos casos e mortes por COVID-19, estando atrás apenas dos Estados Unidos. E dos mais de sessenta mil óbitos registrados até o momento, pelo menos setenta por cento deles, de acordo com diferentes centros de pesquisa do país, advém da população com mais de sessenta anos de idade. Trata-se de uma parcela muito específica da sociedade, comumente colocada à margem dela, muito antes de a pandemia transformar radicalmente os modos de vida de todos.

Humanização: profissionais do Huap proporcionam visitas virtuais a pacientes com COVID-19

Ter um ente querido acometido pela forma mais severa do COVID-19 é motivo de angústia para inúmeras famílias. Com as medidas de restrição, não é possível estar nos hospitais presencialmente para dar suporte a quem precisa ser internado. Sensível a essa realidade, a Equipe de Saúde Mental do Hospital Universitário Antônio Pedro, formada pela Psiquiatra Thabata Luiz (autora do Projeto Visita Virtual) e a Equipe de Psicologia do PsiCOVIDa, estudou maneiras de proporcionar ao paciente hospitalizado um contato com familiares e amigos através da visitação à distância.

Pesquisa da UFF avalia eficácia de equipamentos de proteção de TNT para os dentistas

dentista

Passados cerca de três meses após o início da quarentena no Brasil, a pandemia de COVID-19 ainda está longe de acabar. Com a necessidade crescente de encontrar formas alternativas de assegurar o próprio ofício, alguns profissionais têm se deparado com desafios inéditos impostos pelo que vem se convencionando chamar de “novo normal”.

Estudo da UFF mapeia evolução do coronavírus em Niterói

Em primeiro plano, mão com luva de médica segurando um frasco de exame de laboratório com sangue dentro. Ao fundo, ilustrações do coronavírus.

Apesar de a pandemia de COVID-19 ter se tornado realidade no Brasil há apenas poucos meses, já é possível transformar em dados científicos parte desse passado recente da doença, colaborando para evitar seu agravamento. É isso o que aponta uma pesquisa que vem sendo desenvolvida pela UFF numa parceria com a Prefeitura de Niterói e a Fiocruz.

UFF e Fiocruz publicam artigo sobre alterações psiquiátricas relacionadas à COVID-19

O novo coronavírus trouxe ao cenário científico a urgência de se criarem pesquisas capazes de discutir algumas de suas características e consequências. Nesse contexto, pesquisadores de Laboratórios e Núcleos de pesquisa da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolveram em cooperação uma pesquisa transdisciplinar sobre o comprometimento do sistema nervoso central frente à exposição ao SARS-CoV-2, o vírus causador da COVID-19.

De volta para casa: reflexões sobre o isolamento social no Brasil durante a pandemia

Homem recostado em um parapeito de janela olha para a paisagem da cidade do lado de fora. Ilustrações da estrutura do coronavírus entram por sua janela.

Há pelo menos dois meses, milhares de pessoas no Brasil foram impactadas com a transformação de suas rotinas de vida. Com a adoção do isolamento social por parte dos governos de grande parte dos municípios do país, em função da pandemia do novo coronavírus, os deslocamentos sociais foram substancialmente reduzidos e a regra passou a ser ficar em casa.

ROBOVID-19: Enfermagem de Rio das Ostras cria ferramenta de informações sobre a pandemia

Ilustração de um enfermeiro de máscara

Durante a atual pandemia, a população precisa cada vez mais de acesso fácil à informações de fontes confiáveis. Com foco nessa necessidade, professoras e alunas do Polo da UFF de Rio das Ostras (PURO) desenvolveram o ROBOVID-19, ferramenta digital inovadora criada para tirar dúvidas relacionadas ao coronavírus. O  projeto foi produzido pelo Grupo de Pesquisa Estudos sobre Vivência e Integralidade Dedicadas à Enfermagem, Criança, Infância, Adolescentes e Recém-nascidos (EVIDENCIAR), vinculado ao Departamento de Enfermagem (REN).

Alunos da UFF criam aplicativos que ajudam a diminuir o contágio por coronavírus

Ilustração com diferentes profissionais usando máscara e uma máquina de costura em frente

Desde que a pandemia de COVID-19 passou a fazer parte da realidade dos brasileiros, muita coisa mudou em suas vidas. Vieram novas rotinas e, com elas, outras necessidades. Como, por exemplo, se proteger com máscaras para trabalhar e sair de casa e também criar outros rituais para ir ao mercado ou higienizar produtos. Pensando nisso, alunos da Universidade Federal Fluminense de diferentes cursos de graduação desenvolveram aplicativos, para uso em smartfones, que buscam auxiliar as pessoas a lidar com as novas demandas do cenário atual.

Páginas