COVID-19: professores e alunos da UFF desenvolvem portal para analisar dados da epidemia

O coronavírus está alterando a dinâmica de vida no Brasil e no mundo. Todos os olhares se voltam para o controle da COVID-19. Neste momento, muitos pesquisadores do país se empenham na busca de soluções que possam ajudar na resolução do quadro. Com foco nessa realidade, a equipe do Departamento de Estatística da UFF está desenvolvendo o projeto GET-UF CONTRA COVID-19, que visa colaborar com a análise de dados estatísticos da epidemia.

UFF inicia sanitização do HUAP e dos campi da universidade

Homem executando a sanitização

Como parte das ações da UFF no combate à COVID-19, a partir desta segunda-feira, dia 30 de março, será iniciada a sanitização das áreas com maior circulação de pessoas, que incluem os ambientes comuns do Hospital Universitário Antônio Pedro – HUAP, da Moradia Estudantil e do prédio da Reitoria. Em seguida, a universidade se prepara para realizar a limpeza especial em todos os seus campi, incluindo os localizados no interior do estado.

O invisível bate à porta: crise econômica deflagrada pelo novo coronavírus evidencia tradição escravocrata do Brasil, denunciam pesquisadores da UFF

Fecharam escolas e universidades. Teatros, cinemas, casas de show. Praias, parques públicos e alguns dos acessos à cidade. As pessoas se recolheram para dentro de casas e quase já não se pode mais ouvir barulhos nas calçadas, antes movimentadas e apinhadas de gente. Ainda assim, de tempos em tempos, se escuta o rangido de alguma moto atravessando a avenida em alta velocidade. São eles: os entregadores de serviços por delivery. Passam pelos condomínios deixando refeições sem que ninguém os veja, pois assim é mais “seguro” – invisíveis, como o vírus que todos passaram a temer.

Combatendo o coronavírus: pesquisadores da UFF desenvolvem máscaras de proteção facial em impressoras 3D

Máscara 3d da UFF

Um grupo de professores da Escola de Engenharia da UFF, formado por Marcio Cataldi, Daniel Henrique Nogueira Dias, Ivanovich Lache e Ricardo Carrano e o professor da Faculdade de Medicina Jano Alves de Souza, juntamente com o mestrando do Programa de Engenharia e Biossistemas (PEGB-UFF), Lucas Getirana de Lima, está desenvolvendo máscaras de proteção de baixo custo do tipo ‘faceshield’ em impressoras 3D. O objetivo é que sejam distribuídas aos profissionais de saúde na linha de frente contra o COVID-19.

UFF desenvolve ações acadêmicas e administrativas de combate ao coronavírus

Nas próximas semanas, enfrentaremos os momentos mais severos do combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O Ministério da Saúde já informou que espera o colapso do sistema público de saúde para meados de abril. Entramos em um ponto de virada importante na luta contra a propagação do vírus no Brasil. A Universidade Federal Fluminense está elaborando uma série de ações de proteção à vida das pessoas.

Medidas de prevenção contra o Covid-19 para os setores técnicos e administrativos da UFF

brasão da UFF

Em decorrência do agravamento da situação epidemiológica do Estado do Rio de Janeiro com a declaração de estado de emergência na saúde pública, a Universidade Federal Fluminense decidiu adiar o início do semestre letivo em 30 dias.

UFF promove encontro entre assessorias internacionais do Rio de Janeiro e Secretário de Ciências de Portugal

Encontro da Reari na UFF

A Universidade Federal Fluminense sediou o Encontro entre as Redes das Assessorias Internacionais das Instituições de Ensino Superior do Rio de Janeiro (REARI-RJ) com o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos de Portugal (CCIPS). A UFF é a atual presidente da REARI e o evento teve o objetivo de prospectar oportunidades para novas cooperações acadêmicas, trocar experiências de pesquisa e promover networking entre as instituições que compõem a Rede e o Conselho.

Pesquisa da UFF mostra quem são e como vivem os jovens vítimas e também agentes da violência no Brasil

O Brasil é considerado internacionalmente como um dos países da América do Sul com os maiores índices de violência, possuindo a terceira maior população carcerária do mundo. Nas últimas décadas, esse fenômeno tem sido atravessado por um aumento crescente dos homicídios de jovens. Os últimos dados disponíveis do país revelam um recrudescimento do problema, observando-se uma evolução, entre 2005 e 2015, de 17,2% na taxa de homicídio de indivíduos entre 15 e 29 anos. Mais de 318 mil jovens foram assassinados neste período, de acordo com o Atlas da Violência de 2017.

Páginas