Logotipo da UFF

Alimentação e Solidariedade: durante a pandemia projeto da UFF apoia a agricultura familiar

Legumes coloridos em cima de uma superfície saindo de uma sacola de feira

Mesmo com as oscilações nos níveis de progressão da COVID-19 no Brasil nos últimos meses, a Universidade Federal Fluminense manteve ativas diversas ações voltadas ao enfrentamento da pandemia e diminuição do seu impacto na sociedade. Um exemplo, dentre muitos, é o projeto “Alimentação e Solidariedade na Rede de Agroecologia da UFF”, que busca ampliar e fortalecer os circuitos de produção e consumo de alimentos agroecológicos existentes em Niterói, Macaé, Angra dos Reis, Santo Antônio de Pádua, Rio das Ostras e Campos dos Goytacazes.

HUAP completa 20 anos como referência no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência

Cinquenta. Esse é o número aproximado de atendimentos que o Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP) fez em 2019 a crianças e adolescentes que sofreram violência sexual. O número assusta, ainda mais quando calculamos a média mensal, que é de 4,16 atendimentos. A violência contra crianças e adolescentes abrange os casos de abuso sexual, negligência, maus-tratos físicos e emocionais.

UFF integra projeto social que ocupa os tempos livres nas escolas públicas

Sala de aula com cadeiras vazias

Futebol sem bola. Piu-piu sem frajola. Sou eu assim sem você... No famoso hit de Claudinho e Bochecha, os músicos descreveram em versos alguns parceiros inseparáveis nas artes, nos esportes e na vida, como a própria dupla que formavam. Eles narraram como essas combinações constituíam uma unidade quase indissociável, não fazendo sentido pensar uma coisa sem a outra

Pantanal em chamas: professores da UFF explicam os incêndios recentes e seus efeitos

Desde meados de 2020, o rico bioma do Pantanal vem agonizando com incêndios de proporções históricas. O número mensal de focos de incêndio é o mais alto desde 1998, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) deu início a esses registros. Os dados da instituição mostram que em setembro deste ano foram registrados 6.048 pontos de queimadas na região. O recorde mensal anterior era de agosto de 2005, quando ocorreram 5.993 focos de queimada.

Professores da UFF analisam o fenômeno sistêmico da desigualdade social no Brasil

O princípio da igualdade, garantido pela constituição brasileira, prevê a todos os cidadãos o direito ao tratamento isonômico perante a legislação, vedando diferenciações arbitrárias. Raça, gênero, credo religioso, orientação política, nenhum desses parâmetros deveria distinguir os indivíduos. Entretanto, na medida em que as relações construídas em sociedade definem que tipo de pessoa terá acesso a determinados direitos, os contrastes sociais se estabelecem.

Estudo da UFF alerta para a importância do isolamento social durante a gestação

Silhueta de uma mulher grávida, de perfil, de frente para uma janela. Foto em preto e branco.

A cada dia que passa, o isolamento social em função da pandemia parece ter menos adeptos no país. As calçadas cada vez mais cheias de gente, nas capitais e interiores dos Estados, sinalizam para a transformação da quarentena em um “novo normal”, situação em que as pessoas circulam com relativa liberdade pelas cidades mas tomando, pelo menos teoricamente, alguns cuidados preventivos.

Humanização: profissionais do Huap proporcionam visitas virtuais a pacientes com COVID-19

Ter um ente querido acometido pela forma mais severa do COVID-19 é motivo de angústia para inúmeras famílias. Com as medidas de restrição, não é possível estar nos hospitais presencialmente para dar suporte a quem precisa ser internado. Sensível a essa realidade, a Equipe de Saúde Mental do Hospital Universitário Antônio Pedro, formada pela Psiquiatra Thabata Luiz (autora do Projeto Visita Virtual) e a Equipe de Psicologia do PsiCOVIDa, estudou maneiras de proporcionar ao paciente hospitalizado um contato com familiares e amigos através da visitação à distância.

Pesquisa da UFF avalia eficácia de equipamentos de proteção de TNT para os dentistas

dentista

Passados cerca de três meses após o início da quarentena no Brasil, a pandemia de COVID-19 ainda está longe de acabar. Com a necessidade crescente de encontrar formas alternativas de assegurar o próprio ofício, alguns profissionais têm se deparado com desafios inéditos impostos pelo que vem se convencionando chamar de “novo normal”.

Estudo da UFF mapeia evolução do coronavírus em Niterói

Em primeiro plano, mão com luva de médica segurando um frasco de exame de laboratório com sangue dentro. Ao fundo, ilustrações do coronavírus.

Apesar de a pandemia de COVID-19 ter se tornado realidade no Brasil há apenas poucos meses, já é possível transformar em dados científicos parte desse passado recente da doença, colaborando para evitar seu agravamento. É isso o que aponta uma pesquisa que vem sendo desenvolvida pela UFF numa parceria com a Prefeitura de Niterói e a Fiocruz.

De volta para casa: reflexões sobre o isolamento social no Brasil durante a pandemia

Homem recostado em um parapeito de janela olha para a paisagem da cidade do lado de fora. Ilustrações da estrutura do coronavírus entram por sua janela.

Há pelo menos dois meses, milhares de pessoas no Brasil foram impactadas com a transformação de suas rotinas de vida. Com a adoção do isolamento social por parte dos governos de grande parte dos municípios do país, em função da pandemia do novo coronavírus, os deslocamentos sociais foram substancialmente reduzidos e a regra passou a ser ficar em casa.

Páginas