Felipe Gelani (Estagiário de Jornalismo)

A escravidão negra no Brasil durou quase 400 anos, deixando marcas terríveis na sociedade. Mesmo assim, a questão ainda é pouco explorada pela academia, apesar de sua relevância na história brasileira. Ao se dar conta da ausência de estudos sobre o assunto, um grupo de pesquisa composto por um professor e alunos do Instituto de Ciências da Sociedade da UFF de Macaé (ICM) buscou integrar a leitura de autores importantes para a Filosofia Política Contemporânea às reflexões sobre a escravatura.

O Brasil terminou as Olimpíadas Rio 2016 em 13º lugar no quadro de medalhas, com sete delas douradas, um recorde para o país nos Jogos. Agora é hora de olhar para o futuro do esporte brasileiro. A prática esportiva pode ser um importante instrumento de inclusão social, além de constituir uma significativa área de interesse acadêmico. Com essa percepção, a UFF vem buscando apoiar alunos e professores que participam de treinos e competições de diversas modalidades individuais e coletivas, por meio do Projeto UFF Ativa, criado em 2014 e vinculado à Coordenação de Apoio Acadêmico da Proaes.

Com cinco medalhas olímpicas em sua carreira como velejador, entre elas duas de ouro, Torben Grael está pronto para mais uma competição, os Jogos do Rio 2016, no período de 5 a 21 de agosto. Além do histórico vitorioso como atleta, Torben é um dos idealizadores e fundadores do Projeto Grael, que busca promover a inclusão de jovens estudantes de escolas públicas no esporte da vela e inseri-los no mercado de trabalho do setor náutico. O bicampeão olímpico na categoria Star se formou em Administração na UFF nos anos 80.

Desde 2011, com o início dos conflitos na Síria, o mundo vem acompanhando o drama enfrentado pela população do país. A maior parte das pessoas que deixa a região devastada pela guerra busca refúgio em nações vizinhas ou europeias, onde frequentemente são recebidas com hostilidade e xenofobia. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), agência da ONU para refugiados, até 2016, em torno de 4,8 milhões de sírios foram recebidos em países próximos, enquanto cerca de 900 mil migraram para a Europa, muitos deles arriscando a vida atravessando o Mar Mediterrâneo.

Desde sua fundação em 1996, a Farmácia Universitária (FAU) vem contribuindo para a formação e capacitação de estudantes da área farmacêutica na Universidade Federal Fluminense. Uma de suas principais funções é atuar como projeto de extensão, e também como prática em disciplinas obrigatórias e optativas para os alunos do curso de Farmácia. Os serviços prestados também envolvem a preparação, estudo e venda de medicamentos e atendimento ao público. Além disso, a unidade dispõe de um laboratório de homeopatia, no qual os alunos têm a oportunidade de se habilitar na especialização.

Desde 2011, o Instituto de Educação Física da UFF oferece o Projeto Natação Adaptada, que integra o programa de extensão Inclusão Social através do Esporte. O projeto disponibiliza um curso de natação gratuito para crianças e adultos com deficiência, e conta com o acompanhamento de professores e alunos capacitados para a função. As aulas são realizadas todas as quartas e sextas-feiras, das 13h às 14h, na piscina do prédio de Educação Física, no Campus do Gragoatá, São Domingos, Niterói.

O idioma é um dos maiores impedimentos para que as universidades brasileiras atraiam mais alunos estrangeiros. O país se torna pouco atrativo para esses estudantes, uma vez que a língua portuguesa é pouco falada ao redor do mundo. Além disso, muitos universitários brasileiros buscam se preparar para um possível mercado internacional, o que também desperta o interesse por disciplinas ministradas em outras línguas, principalmente o inglês.

A venda de jogos eletrônicos é, hoje, um dos ramos mais dinâmicos da economia mundial. No Brasil, ela cresce a taxas de cerca de 25% a 30% ao ano.

O Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) da UFF, aberto à comunidade desde 1977, reformou totalmente seu ambulatório clínico. O SPA representa um importante centro de referência para tratamento psicoterápico em Niterói e desenvolve um trabalho institucional em creches, escolas, hospitais e empresas. O serviço é pioneiro e oferece o único laboratório de psicoterapia pública na região fluminense, onde atende, mensalmente, cerca de 300 pessoas.

A Superintendência de Relações Internacionais (SRI) da UFF acaba de passar por uma nova mudança. O setor, antes localizado no prédio da Reitoria, agora se encontra no Bloco A do Campus do Gragoatá. Conhecida como Diretoria de Relações Internacionais, a SRI recebeu seu nome atual em novembro de 2014. Essas modificações ocorreram devido ao aumento da importância do trabalho de internacionalização da universidade.

Páginas

Subscrever Felipe Gelani (Estagiário de Jornalismo)